Divulgação/Marvel

Marvel queria matar mais heróis em “Vingadores: Ultimato”

Os irmãos Anthony e Joe Russo, diretores de “Vingadores: Ultimato”, revelaram em um podcast que Kevin Feige, chefão da Marvel, queria todos os Vingadores originais morressem no filme de 2019.

Além do Homem de Ferro (Robert Downey Jr.) e Viúva Negra (Scarlett Johansson), o ele também desejava ver o fim de Thor (Chris Hemsworth), Hulk (Mark Ruffalo), Capitão América (Chris Evans) e Gavião Arqueiro (Jeremy Renner) para usar o filme como um recomeço do MCU (Universo Cinematográfico da Marvel).

Mas os irmãos Russo acharam a ideia agressiva demais e a rejeitaram, optando por matar apenas dois personagens.

“Rolaram muitos rumores sobre quem iria morrer. Kevin sugeriu, em determinado momento, matar todos os Vingadores originais. Nós achamos muito agressivo, achamos que o público não conseguiria digerir isso. E que, de fato, escolher um ou dois personagens para fazer sacrifícios durante o filme poderia produzir momentos em que a ação pararia e poderia haver uma catarse emocional e, então, continuar com a narrativa”, afirmou Joe Russo ao podcast Happy Sad Confused.

No entanto, a ideia de matar o Homem de Ferro também não foi tão bem recebida por um dos atores da franquia. Jon Favreau, que interpreta Happy Hogan, o assistente de Tony Stark, e dirigiu os dois primeiros filmes solo do herói, entrou em contato com os diretores para tentar convencê-los a não matá-lo.

“Parte da pressão para não matar Tony Stark veio de Jon Favreau, que nos ligou após ler o script e disse: ‘Vocês realmente vão matar o Homem de Ferro’?”, contou Anthony Russo à revista Vanity Fair.

“É verdade”, acrescentou Joe. “Eu me lembro de ficar andando para lá e para cá no canto de um cenário no telefone com Favreau, tentando convencê-lo. Ele estava tipo: ‘Você não pode fazer isso. Isso vai deixar as pessoas arrasadas e você não quer que elas saiam do cinema e se joguem no meio dos carros’. Mas nós o matamos mesmo assim”.