Instagram/Gloria Perez

Gloria Perez revela porque aceitou participar da série sobre assassinato de sua filha

A autora de novelas Gloria Perez usou o Facebook para explicar porque decidiu colaborar com o projeto de “Pacto Brutal: O Assassinato de Daniella Perez”, série documental produzida pela HBO Max sobre o assassinato de sua filha. Até então, ela só tinha falado sobre a morte de Daniella de forma breve e em raras ocasiões.

“Abri meu arquivo porque a proposta foi o que sempre esperei: a divulgação dos autos do processo. Sem nenhum tipo de retorno financeiro, quero deixar bem claro”, disse ela.

Além de dar acesso a seus arquivos pessoais, Gloria gravou mais de 20 horas de depoimentos para a série e, segundo relatos, a equipe de bastidores chorou durante as gravações.

Por ter se envolvido bastante, ela acrescentou que tem expectativas positivas em relação à série. “Confio que esse documentário não deixe mais espaço nenhum para as versões fantasiosas que os assassinos tentaram emplacar na imprensa, durante os anos que antecederam o júri que condenou os dois por homicídio duplamente qualificado”, acrescentou.

Um detalhe da produção é que, a pedido de Glória, os organizadores do documentário não ouviram os assassinos de Daniella. Esta foi uma exigência feita pela autora para participar das gravações.

A morte brutal da estrela da Globo chocou o Brasil em 1992. Maior estrela da telenovela “De Corpo e Alma”, escrita por sua mãe, Daniella foi assassinada por Guilherme de Pádua, ator com quem fazia par romântico na trama, e por Paula Thomaz, esposa de Guilherme na época. Seu corpo foi encontrado num matagal, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, perfurado com dezoito golpes fatais de punhal.

Segundo o processo, a motivação do crime foi o fato de Guilherme acreditar que seu papel na novela estava diminuindo por culpa da atriz.

Com direção de Tatiana Issa (“Dzi Croquettes”) e Guto Barra (“Yves Saint-Laurent: My Marrakesh”), que também assina o roteiro, o projeto foi idealizado por Issa, que começou a carreira como atriz e era próxima de Daniella. Em 1992, ano do assassinato, ela atuava na novela “Deus nos Acuda” com Raul Gazolla, que era casado com Daniella.

A estreia está marcada para 21 de julho.