Divulgação/Universal Pictures

Estreias: “O Homem do Norte” é o destaque das locadoras digitais

Os lançamentos das locadoras digitais superam as opções de assinatura para assistir em casa neste fim de semana. Enquanto a Netflix investe em melodramas sul-coreanos e plataformas rivais disponibilizam um catálogo já visto na TV, as principais novidades, como “O Homem do Norte” e o inédito nos cinemas “O Domingo das Mães”, chegam apenas em serviços de VOD (Video on Demand).

Menos conhecida que opção de serviços por assinatura, a versão online das antigas videolocadoras não tem mensalidades. O público paga apenas o filme que deseja assistir – como nos velhos tempos da Blockbuster. E conta com novidades que estiveram recentemente em cartaz no circuito cinematográfico, além de produções premiadas em festivais internacionais – incluindo dramas LGBTQIA+. O serviço é oferecido em plataformas como Apple TV, Google Play, Microsoft Store, Loja Prime e YouTube. Confira os lançamentos.

 

 
 

| O HOMEM DO NORTE | CLARO TV+, VOD*

 

O épico viking estrelado por Alexander Skarsgård (“Big Little Lies”) e Anya Taylor-Joy (“O Gambito da Rainha”) é um filme de vingança sangrento, com cenas de batalha apresentadas com violência extrema pelo diretor Robert Eggers, responsável pelos terrores “A Bruxa” (2015) e “O Farol” (2019)

Em sua produção de maior orçamento e ambição, ele conta com um elenco grandioso, que ainda destaca Nicole Kidman (“Aquaman”), Ethan Hawke (“Cavaleiro da Lua”), Willem Dafoe (“O Farol”), Claes Bang (“Drácula”), Ralph Ineson (“A Bruxa”) e a cantora Bjork.

Ambientada na Islândia na virada do século 10, a trama acompanha o filho de um rei, que na infância testemunha o assassinato do pai e passa anos esperando acertar as contas com o usurpador. Esse resumo sintetiza uma história presente em várias sagas nórdicas e que, como apurou Eggers, inspirou Shakespeare a escrever nada menos que a peça “Hamlet”.

 

| O DOMINGO DAS MÃES | VOD*

 

Diretora de clipes que chamou atenção com o filme de guerra “Filhas do Sol” (2018), a francesa Eva Husson faz sua estreia em inglês com um romance tórrido, passada em um dia quente da primavera de 1924. Na trama, a empregada doméstica e órfã Jane Fairchild se vê sozinha no Dia das Mães. Após seus patrões se ausentarem, ela tem a rara chance de passar um bom tempo com seu amante secreto, um rapaz da mansão vizinha, apaixonado por ela há muito tempo, apesar de estar noivo de outra mulher. Mas o amor proibido tem poucas chances de prosperar em meio a diferenças de classes e asfixia existencial do período.

O melodrama é baseado no romance homônimo de Graham Swift (autor de “O Último Adeus”) e é registrado com um fotografia belíssima e um elenco afinado, encabeçado pela australiana Odessa Young (“A Escada”) e os britânicos Josh O’Connor (“The Crown”), Colin Firth (“Kingsman: O Círculo Dourado”) e Olivia Colman (“A Filha Perdida”). Bastante festejado pela imprensa inglesa, atingiu 78% de aprovação no Rotten Tomatoes.

 

| ERA UMA VEZ… EM HOLLYWOOD | NETFLIX

 

Um dos maiores sucessos comerciais da carreira de Quentin Tarantino chega no catálogo da Netflix, reunindo pela primeira vez no mesmo filme os astros Leonardo DiCaprio e Brad Pitt. Os dois já tinham trabalhado com o diretor em “Django Livre” e “Bastardos Inglórios”, respectivamente, mas nunca tinha contracenado.

Eles vivem um ator em decadência e seu dublê de longa data, que veem Hollywood e o mundo mudar de forma radical em 1969, enquanto Sharon Tate, casada com o cineasta Roman Polanski – e vivida por Margot Robbie – passa a representar uma nova geração nos cinemas. Mas a felicidade dela não vai durar muito, pois o psicopata Charles Manson logo começa a aparecer em sua vizinhança.

Tem muito mais gente famosa referenciada no filme de 2019, como Bruce Lee – numa cena que dividiu opiniões, mas agradou em cheio aos fãs do diretor, acostumados a seu estilo subversivo de cinema. Obrigatório para cinéfilos e também para quem busca apenas uma boa diversão, “Era uma Vez… em Hollywood” ainda consagrou Brad Pitt com seu primeiro Oscar de interpretação.

 

| RISE | DISNEY+

 

Um dos filmes mais elogiados pela crítica dos EUA em 2022 (94% no Rotten Tomatoes), o drama esportivo é baseado na história real da família Antetokounmpo. A trama segue Charles Antetokounmpo e sua esposa Vera, após emigrarem da Nigéria para a Grécia, mostrando seus esforços para sustentar sua família sob a ameaça constante de deportação, enquanto buscam garantir a cidadania grega por meio de um sistema que “os bloqueou a cada passo”, de acordo com a sinopse do filme.

Enquanto isso, seus filhos Giannis, Thanasis e Kostas começam a jogar basquete em um time juvenil local. Em pouco tempo, eles passam a chamar atenção. Muita atenção, a ponto de sua fama cruzar fronteiras e chegar à a liga de basquete profissional dos EUA. Convidados a jogar no país, eles se tornam o primeiro trio de irmãos a conquistar os campeonatos disputadíssimos da NBA – Giannis e Thanasis pelo Milwaukee Bucks e Kostas pelo Los Angeles Laker.

A história real foi roteirizada por Arash Amel (“Perseguição Implacável”) como uma trama edificante de superação de dificuldades. A direção é do nigeriano Akin Omotoso, que já tinha feito outro drama esportivo bem-sucedido para a Disney: “Rainha de Katwe” (2016).

 

| JESUS KID | VOD*

 

Baseado no romance homônimo de Lourenço Mutarelli (“O Cheiro do Ralo”), o novo filme escrito e dirigido por Aly Muritiba (premiado no Festival de Veneza por “Deserto Particular”) registra o surto de um escritor de westerns de bolso, confinado num hotel e pressionado a criar rapidamente um roteiro cinematográfico sobre sua carreira frustrada.

O roqueiro Paulo Miklos (“Manhãs de Setembro”) vive o protagonista, que, em crise de ansiedade, desenvolve paranoia aguda e passa a ver bandidos por toda a parte, além do herói de seus livros, o Jesus Kid do título, vivido por Sergio Marone (“Os Dez Mandamentos”).

“Jesus Kid” teve sua première virtual no Festival de Gramado do ano passado, quando venceu os troféus de Melhor Direção, Roteiro e Ator Coadjuvante (Leandro Daniel, de “Sentença”).

 

| ESPONTÂNEA | VOD*

 

A comédia colegial de humor negro traz Katherine Langford (“13 Reasons Why” e “Cursed”) como uma estudante matriculada numa high school em que os alunos explodem – literalmente. Em paralelo a seu romance adolescente com o personagem de Charlie Plummer (“Tudo o Dinheiro do Mundo”), ela precisa lidar com o trauma de ter pedaços dos colegas nas roupas e de virar cobaia de cientistas que tentam encontrar a causa do fenômeno.

Estreia na direção de Brian Duffield (roteirista de “Ameaça Profunda”), o filme adapta o best-seller homônimo de Aaron Starmer e ainda traz em seu elenco Piper Perabo (“Covert Affairs”) e Hayley Law (“Riverdale”).

 

| PARIS, 13º DISTRITO | VIVO PLAY, VOD*

 

Filmado em preto e branco pelo premiado cineasta Jacques Audiard (Palma de Ouro em Cannes por “Dheepan: O Refúgio”), a trama se passa no bairro parisiense de Les Olympiades (a maior “Chinatown” da Europa) e é um drama de encontros românticos. Emilie (Lucie Zhang) encontra Camille (Makita Samba), que se sente atraído por Nora (Noémie Merlant, de “Retrato de uma Jovem em Chamas”), que acaba cruzando com Amber (Jehnny Beth, de “Um Amor Impossível”). Três garotas e um garoto do novo milênio, que são amigos e às vezes amantes, e frequentemente as duas coisas.

Os dois atores iniciantes do elenco, Zhang e Samba, foram indicados ao César (o Oscar francês) como Revelações do ano, e a trilha sonora do músico eletrônico Rone foi premiada no Festival de Cannes.

 

| A VIDA SEM VOCÊ | VIVO PLAY, VOD*

 

O drama romântico sueco aborda a dificuldade encontrada por um casal gay para lidar com o fim de seu relacionamento profundo. Enquanto um tenta seguir em frente, o outro se esforça para reatar. E ambos sofrem ao lembrar como foram felizes e perfeitos um para o outro, até tudo acabar.

Em seu primeiro trabalho de ficção, o diretor David Färdmar lança mão de sua experiência como documentarista para registrar de forma realista e extraordinariamente honesta as dores de um rompimento, conjurando uma série de reações emocionais em cenas que despertam enorme empatia.

 

| VITALINA VARELA | MUBI

 

Mistura de documentário e ficção, o filme do premiado diretor português Pedro Costa (“Cavalo Dinheiro”) conta a história da mulher do título, nascida em Cabo Verde, que viu o marido ir embora para Lisboa em 1977, quando arranjou trabalho como pedreiro, e só foi conhecer Portugal recentemente quando ele morreu, para participar do enterro – que perdeu por chegar atrasada.

O retrato de sua amargura chama atenção por ser lindamente fotografado, com cada frame assumindo aparência de pintura – visual reforçado pela predileção de filmagens noturnas e em ambientes internos de pouca luz, que conferem às cenas um visual expressionista. Venceu nada menos que 23 prêmios internacionais, inclusive o Sophia (o Oscar português) de 2020 nas categorias de Melhor Filme, Diretor, Atriz (a própria Vitalina Varela), Roteiro, Fotografia e Som (importante por ser um filme quase sem diálogos).

 

| CAÇADOR DE TROLL | VOD*

 

O cult que estava inédito em streaming finalmente chegou ao Brasil. Filmado como um falso documentário, acompanha três estudantes de cinema que investigam relatos de caça ilegal nas regiões ermas da Noruega, onde encontram um homem que diz matar trolls para o governo. Decididos a registrar sua caçada, eles encontram um terror que jamais imaginariam, mas o público pode discordar e achar que há mais gargalhadas que sustos nesse terrir famoso.

Lançado em 2010, o filme norueguês venceu 10 prêmios internacionais, incluindo os prêmios do Público e do Júri do Festival Internacional de Cinema Fantástico de Neuchâtel. Graças à repercussão, o diretor André Øvredal iniciou uma bem-sucedida carreira em Hollywood e trabalhou até com Guillermo del Toro (vencedor do Oscar por “A Forma da Água”), dirigindo seu roteiro de “Histórias Assustadoras para Contar no Escuro” (2019).

 

 

* Os lançamentos em VOD (video on demand) podem ser alugados individualmente em plataformas como Apple TV, Google Play, Microsoft Store, Loja Prime e YouTube, entre outras, sem necessidade de assinatura mensal.