Divulgação/20th Century Fox

“Deadpool” entra na Disney+ e Ryan Reynolds aponta desenhos mais traumatizantes

A plataforma Disney+ anunciou que vai incluir os filmes de “Deadpool” e “Logan” em seu catálogo norte-americano. Eles serão também os primeiros filmes com classificação “R” (proibidos para menores de 17 anos nos EUA) disponibilizados pelo serviço, que desde seu lançamento em novembro de 2019 matinha uma linha estritamente “familiar” – isto é, infantil.

E como Ryan Reynolds, o Deadpool, não perde a chance de fazer uma piada às custas da Disney, ele foi ao Twitter lembrar que, apesar disso, há desenhos clássicos da empresa capazes de traumatizar mais as crianças que a violência, nudez e palavrões de seus filmes.

“Devemos anunciar que ‘Logan’ e ‘Deadpool’ em breve serão os primeiros filmes com classificação ‘R’ na Disney+. Mas todos sabemos que alguns filmes da Disney já deviam ser classificados como ‘R’ por trauma irreversível”, ele escreveu na rede social. E deu exemplos.

Junto com a mensagem, ele publicação quatro avisos falsos da MPAA (a Associação responsável pela indicação etária), apontando uma reclassificação “R” para quatro clássicos da Disney.

O primeiro é “Branca de Neve e os Sete Anões” (1937). “Classificado como ‘R’ para invasão à força de propriedade, poliandria e tenho certeza que aqueles diamantes não são livres de crueldade”, diz o texto em vermelho.

Em seguida, vem uma notificação para o filme “O Meu Melhor Companheiro” (1957): “Classificado como ‘R’ por induzir ao choro desesperado pelo assassinato do cachorro do título. Além disso, abuso de ursos.”

“O Rei Leão” (1994) também aparece com um notificação que diz: “Classificado como ‘R’ por fratricídio, maus tratos, muito possivelmente amor entre meios-irmãos ou pelo menos beijos entre primos. Sério.”

E no topo da lista, o desenho animado que chegou a realmente causar furor na época de seu lançamento – e ainda hoje traumatiza crianças – , “Bambi” (1942). “Classificado como ‘R’ pelo assassinato à sangue frio de uma mãe veado, capaz de causar traumas pela vida inteira”.

Confira o tuite original abaixo.