Divulgação/RCA

R. Kelly é condenado a 30 anos de prisão

Após inúmeras denúncias e um série documental bombástica, a Corte Federal do Brooklyn, em Nova York, condenou nesta quarta-feira (29/6) Robert Sylvester Kelly, mais conhecido pelo nome artístico de R. Kelly, a 30 anos de prisão. Considerado o Rei do R&B romântico dos anos 1990, Kelly era acusado de liderar uma rede de tráfico e abuso sexual.

O júri, composto por cinco mulheres e sete homens, considerou o artista de 55 anos culpado por todas as acusações que tinha contra si, acusando-o de usar sua fama para recrutar vítimas para fins sexuais, com a colaboração de sua equipe.

Como resultado, a pena da juíza do tribunal do Brooklyn, Ann Donnelly, foi superior à pedida pela própria promotoria, que buscava 25 anos de prisão.

Os promotores descreveram um “universo centrado em Robert Kelly”, que fez com que seus assessores apoiassem ou fechassem os olhos para o comportamento do cantor, ajudando a encobrir, ao longo dos anos, diversos problemas decorrentes de atividade sexual criminosa com acordos financeiros com algumas das vítimas.

Três vezes vencedor do Grammy, R. Kelly vendeu em sua carreira mais de 75 milhões de discos, tornando-se um dos músicos de maior sucesso comercial da história do R&B, com hits como “I Believe I Can Fly” (da trilha do filme “Space Jam”) e “Ignition”.

No auge de seu sucesso, R. Kelly trabalhou com Michael Jackson (“You Are Not Alone”), Janet Jackson (“Any Time, Any Place”), Jennifer Lopez (“Baby I Love U”), Toni Braxton (“I Don’t Want To”) e Britney Spears (“Outrageous”), Jay-Z (“The Best of Both Worlds”), além de ter gravado um dueto com Celine Dion (“Gotham City”) para a trilha do filme “Batman e Robin” (1997).

Mas os boatos de abuso sexual também começaram a surgir em meio a essa fase bem-sucedida, envolvendo inclusive a falecida cantora Aaliyah. Diversos casos foram relatados, com testemunhos, na série documental “Surviving R. Kelly”, lançada pelo canal pago Lifetime em 2019. A produção teve tanta repercussão que inspirou novas denúncias e uma 2ª temporada em 2020.

R. Kelly ainda vai enfrentar outro julgamento em agosto, desta vez em Chicago, onde é acusado de manipular um julgamento por pornografia em 2008, além de esconder evidências da prática de abuso infantil.