Unsplash/Viktor Theo

Netflix demite 316 funcionários em todo o mundo

A crise causada pela diminuição de assinantes levou a Netflix a demitir 316 funcionários nesta quinta-feira (23/6). Os cortes ocorreram em diversos departamentos da empresa ao redor do mundo, mas afetaram principalmente o mercado dos EUA e Canadá, onde ocorreram 216 demissões.

A América Latina foi a região menos afetada, com 17 cortes.

Essa foi a segunda grande onda de demissões da gigante do streaming desde que o relatório financeiro do primeiro trimestre do ano revelou perda de assinantes – 200 mil em comparação ao total anterior – e apontou tendência de piora para os próximos meses – queda estimada em 2 milhões no segundo trimestre. Depois disso, as ações da empresa despencaram na Bolsa de Valores de Nova York e o valor de mercado da companhia caiu bruscamente, levando a perdas milionárias.

Diante deste quadro, a Netflix começou seu encolhimento em maio, anunciando na ocasião a demissão de 150 funcionários.

“Tanto Ted [Sarandos, co-CEO da Netflix] quanto eu nos arrependemos de não termos visto a desaceleração no crescimento da receita antes disso, para que pudéssemos colocar em prática um reajuste mais gradual dos negócios”, disse Reed Hastings, CEO da empresa, em comunicado enviado aos funcionários.

“Sabemos que essas rodadas de demissões foram difíceis para todos, criando assim muita ansiedade e incerteza”, continuou o executivo. “Planejamos voltar a um curso mais normal de negócios daqui para frente.”

Apesar da diminuição de pessoal, a Netflix continua investindo alto em produção de conteúdo, de séries a filmes, mas deve aumentar a quantidade de reality shows e documentários, bem mais baratos para se produzir. A estimativa de gastos gira em torno de US$ 17 bilhões (R$ 88,63 bilhões) apenas neste ano.

Mesmo enfrentando crescimento da concorrência, a Netflix ainda continua líder no mercado de streaming, com 220 milhões de assinantes em todo o mundo.