Facebook/Bill Cosby

Bill Cosby é condenado por abuso sexual dos anos 1970

Um júri da Califórnia considerou nesta terça (21/6) que o comediante Bill Cosby, de 84 anos, é culpado por assédio sexual contra uma mulher na mansão da Playboy em 1975, quando ela ainda era menor de idade.

O júri determinou uma indenização de US$ 500 mil (R$ 2,5 milhões) a Judy Huth pelo sofrimento emocional que ela afirma ter sofrido anos depois, quando múltiplas acusações contra Cosby, movidas por outras mulheres, contribuíram para despertar as memórias do abuso do comediante.

Huth disse em depoimento que tinha 16 anos quando o comediante convidou ela e uma amiga à Mansão da Playboy, depois de conhecê-las num parque. Ao chegar lá, o comediante, então com 37, a levou a um quarto, puxou a calça de moletom e depois agarrou a mão dela e a usou para se masturbar.

Cosby, que não compareceu ao julgamento, negou a acusação. No vídeo de um depoimento mostrado aos jurados, ele afirmou que não se lembrava de Huth. Mas disse que o incidente não poderia ter ocorrido porque ele não teria procurado contato sexual naquela época com alguém que tinha menos de 18 anos.

A advogada de Cosby, Jennifer Bonjean, questionou o relato de Huth ao longo do julgamento, incluindo a sua linha do tempo.

Quando o processo começou em dezembro de 2014, Huth disse que o incidente havia acontecido em 1974, quando ela tinha 15 anos. Ela afirmou aos jurados que recentemente concluiu que estava errada sobre o ano e agora credita que aconteceu em 1975. Huth tem atualmente 64 anos.

Além de seu testemunho, o julgamento contou com os depoimentos de sua amiga na época, Donna Samuelson, bem como de outras duas mulheres que alegaram ter sido abusadas por Cosby em 1975.

O julgamento civil na Califórnia foi realizado 11 meses depois de Cosby sair da prisão, quando uma alta corte da Pensilvânia anulou sua condenação por agressão sexual em um diferente caso criminal.

A advogada da acusação, Gloria Allred, saudou o veredito como uma vitória em direção a uma “mudança real”. O caso foi o primeiro a ser julgado sob a nova Lei de Vítimas Infantis, que permite adultos sobreviventes de abuso sexual infantil a se apresentarem e responsabilizarem seu agressor vários anos depois.

Em um comunicado divulgado à mídia, após o veredito, um porta-voz de Cosby disse: “Sempre sustentamos que Judy Huth, Gloria Allred e seus companheiros fabricaram essas acusações falsas a fim de forçar Cosby a financiar sua missão racista contra homens negros bem-sucedidos e realizados na América. O Sr. Cosby continua a manter sua inocência e lutará vigorosamente contra essas falsas acusações, para que ele possa voltar a trazer felicidade, alegria e riso para o mundo.”