Divulgação/Disney

Bastidores da Disney esquentam com demissão de executivo importante

A moral entre os funcionários da Disney anda péssima, segundo a revista The Hollywood Reporter, depois que Peter Rice, até esta semana presidente da Walt Disney Television, ter sido demitido numa reunião de sete minutos pelo CEO Bob Chapek.

Um dos executivos mais respeitados da indústria do entretenimento, Rice começou sua carreira na 20th Century Fox em 1989 e foi responsável por produções indicadas ao Oscar como “Juno”, “Pequena Miss Sunshine”, “Moulin Rouge” e “Quem Quer Ser Um Milionário?” (vencedor em 2009). Ele foi promovido várias vezes na empresa. Presidiu o estúdio Fox Searchlight no começo do século e virou CEO do conglomerado 21st Century Fox na véspera da venda para a Disney.

Após a aquisição, Rice assumiu o cargo de presidente da Walt Disney Television, respondendo por toda a programação não esportiva dos canais e plataformas da empresa.

Nos bastidores, chegou até a ser cotado ao cargo de CEO da Disney, emprego que acabou ficando com Chapek quando Bob Iger decidiu se afastar.

Sua grande influência na indústria, por sinal, teria sido o motivo da demissão, segundo apurações da imprensa americana – Chapek começou a temer a sombra, após vários incidentes negativos de sua gestão à frente da companhia.

Chapek cometeu uma série de erros desde que assumiu o comando da Disney em 2020, incluindo a briga pública com a atriz Scarlett Johansson por seus direitos sobre o filme “Viúva Negra”, que abalou sua relação com o Marvel Studios, e as consequências de sua resposta desajeitada à lei “Don’t Say Gay” da Flórida, que vai custar bilhões à empresa pela retaliação do governador conservador do estado.

A cabeça de Rice teria ficado à prêmio quando ele resolveu se manifestar sobre a polêmica da Flórida, tendo uma posição mais dura contra a lei – que proíbe o ensino de questões de gênero nas escolas de Ensino Fundamental da Flórida – que a resposta inicial de Chapek.

Os dois também bateram cabeças quando Chapek decidiu reorganizar a estrutura da companhia, criando uma comissão na área de entretenimento para responder pela programação de filmes e séries, e acabar com decisões individuais sobre o lançamento de novos conteúdos. Foi uma forma de tirar o poder de Rice, mas o executivo continuou fazendo valer sua vontade em todas as discussões.

Apesar destas rusgas, a demissão surpreendeu o executivo e outras figuras importantes em Hollywood.

Rice será substituído por Dana Walden, que veio com ele da Fox. Walden era assistente de Rice no comando da programação televisiva da Disney e foi descrita por Chapek como uma “líder colaborativa” em nota de apresentação aos funcionários de Disney.

Entretanto, a substituição não foi entendida como uma promoção e abalou o mercado, fazendo as ações da Disney caírem 33% na Bolsa de Valores de Nova York.

Nos escritórios da companhia, o clima foi de estupefação.

Segundo o THR, vários executivos teriam ficado chocados com a falta de cerimônia com que Rice foi demitido. Chapek não seguiu o costume de Hollywood de tratar bem seus executivos dispensados, oferecendo-lhes contratos de produção independente. Amy Pascal saiu da chefia da Sony para o comando da franquia do “Homem-Aranha” e de várias outras produções bem-sucedidas do estúdio, e Toby Emmerich acaba de sair da Warner com um acordo similar.

O mal-estar forçou uma rara manifestação da presidente do conselho da Disney, Susan Arnold, que disse que o atual CEO, Chapek continua tendo o apoio do conselho para permanecer no cargo. 

“A força dos negócios da Walt Disney Company ao sair da pandemia é uma prova da liderança e visão de Bob para o futuro da empresa”, disse Arnold na quinta-feira, em um comunicado. “Neste momento importante de crescimento e transformação dos negócios, estamos comprometidos em manter a Disney no caminho de sucesso em que está hoje, e Bob e sua equipe de liderança têm o apoio e a confiança do conselho.”

Comunicados como este são raros. Mas o mais importante é que, apesar do que o texto afirma, Chapek não tem confiança suficiente do conselho para ser reconfirmado no cargo. Seu mandato acaba em nove meses e, em vez de renová-lo antecipadamente para manifestar segurança diante das mudanças, o conselho da Disney apenas manifestou apoio.