Divulgação/Paramount

Tom Cruise: “Top Gun: Maverick jamais estrearia em streaming”

Tom Cruise é, disparado, a maior celebridade presente no Festival de Cannes. O ator está no evento francês para receber uma homenagem pelos mais de 30 anos de carreira e lançar seu novo filme, “Top Gun: Maverick”. E a programação de sua passagem pela Riviera também incluiu uma conversa com o jornalista francês Didier Allouch diante de uma plateia, no Debussy Theatre.

Recebido com aplausos pelas mil pessoas presentes, ele abordou temas como sua paixão pelo cinema e seu costume de fazer suas próprias cenas arriscadas em seus filmes, dispensando dublês.

Na conversa, Cruise confirmou que bateu o pé para impedir o lançamento de “Top Gun: Maverick” em streaming no auge da pandemia. Adiado várias vezes devido ao fechamento dos cinemas pela contaminação de covid-19, o ator assumiu ter exercido sua influência para garantir que o filme tivesse um lançamento restrito aos cinemas, mesmo que para isso precisasse adiá-lo por mais de um ano.

Ele riu quando perguntado se enfrentou pressão para que o filme saísse logo em streaming. “Isso nunca iria acontecer”, afirmou. “Esse filme jamais estrearia no streaming”.

Cruise disse que toda vez que a data de lançamento era adiada, ele ligava para todos os integrantes do elenco jovem para avisá-los pessoalmente. A lista incluía inclui Miles Teller, Glen Powell, Danny Ramirez e Monica Barbaro. O objetivo era garantir que a mudança era positiva e que o filme teria uma estreia melhor por causa disso. “Não se preocupem, isso vai acontecer”, repetiu o ator para a plateia. O resultado foi uma première mundial em Cannes.

O ator passou grande parte da conversa refletindo sobre o fato de que não estudou cinema, mas aprendeu tudo prestando muito atenção nos sets. E indo ver filmes entre o público comum. Ele diz que até hoje entra nas salas lotadas.

“Olha só, temos que ter respeito pelas pessoas que trabalham com o cinema”, apontou o ator. “E com isso quero dizer todas as pessoas, incluindo o pessoal que vende pipoca. Sabe, eu vou aos cinemas até hoje. Sim, é verdade. Eu entro na sala disfarçado e assisto aos filmes como qualquer um.”

“Eu coloco meu boné”, ele acrescentou, referindo-se a seu “disfarce” para não ser reconhecido.

Questionado sobre a falta de medo para encarar as cenas perigosas dos filmes, que geralmente são feitas por dublês, ele assumiu que sabe que corre riscos.

“Sim, eu sei que fazer isso é perigoso”, disse ele. “Mas não se pergunta por que Gene Kelly dança em todos os filmes dele, né? Se eu faço um musical, eu tenho de dançar”, comparou, sugerindo que não haveria como ser diferente num longa de ação.

“Em todos os filmes que eu faço, a minha grande preocupação é como mergulhar o público na trama e como entreter”, ele disse. Fazer as próprias cenas de ação amentaria o envolvimento e o realismo, pois isso permite ao diretor colocar a câmera mais próxima, sem precisar esconder que outra pessoa fez o malabarismo perigoso.

Cruise garante não se trata de loucura. Ele explicou que seus 26 anos à frente da franquia “Missão: Impossível” o ensinaram bastante sobre os bastidores do cinema, a ponto de ele saber como funcionam as medidas de segurança como qualquer dublê, e é isso que lhe permite dispensar dublês.

Ele lembrou também que o primeiro “MIssão: Impossível” de 1996 também marcou sua estreia na função de produtor. Isto aconteceu porque o estúdio achava que o filme perderia dinheiro. Não seria um bom investimento levar para os cinemas uma série de TV dos anos 1960. “Achavam que seria uma péssima ideia”, disse, sobre a adaptação. No final, ele ganhou uma fortuna e controle sobre a franquia, que rende filmes até hoje – o sétimo estreia no ano que vem e o oitavo já está em produção.

“Top Gun: Maverick”, por sua vez, estreia na próxima semana no Brasil, no dia 26 de maio.

No filme, Cruise retoma seu personagem Maverick do clássico “Top Gun – Ases Indomáveis”, de 1986. Mas ele volta desacreditado e tendo uma última chance como instrutor da escola de pilotos da Marinha. Nesta missão, precisa lidar com novos ases indomáveis que não o respeitam, entre eles o filho de Goose (Anthony Edwards), falecido no filme de 1986. E o desafio se torna ainda maior quando tem que liderar os pilotos numa situação de batalha real.

Exibido pela primeira vez nesta quarta (18/5) para o público e a imprensa presente em Cannes, o longa dirigido por Joseph Kosinski – que já tinha dirigido Cruise em “Oblivion” (2013) – arrancou aplausos entusiasmados e críticas elogiosíssimas, atingindo 97% de aprovação na média apurada pelo site Rotten Tomatoes.