Divulgação/FX

Selma Blair revela alcoolismo e abusos em livro de memórias

A atriz Selma Blair, conhecida por sucessos como “Segundas intenções” (1999), “Legalmente loira” (2001) e “Hellboy” (2006), lança na próxima terça (17/5) seu livro de memórias. Intitulado “Mean Baby”, a obra registra várias passagens trágicas e polêmicas de sua vida, como o alcoolismo iniciado aos sete anos de idade, múltiplos abusos sexuais e sua luta atual contra a esclerose múltipla.

“A primeira vez que fiquei bêbada foi uma revelação. Sempre gostei de Sêder de Pessach [jantar cerimonial judaico]. Enquanto tomava pequenos goles do Manischewitz, foi permitido que durante todo o Sêder uma luz me inundasse, enchendo-me com o calor de Deus. Mas aos sete anos, quando basicamente tínhamos Manischewitz na torneira e ninguém estava prestando atenção ao meu nível de consumo, eu juntei: o sentimento não era Deus, mas fermentação. Eu pensei: ‘Bem, isso é uma grande decepção, mas posso obter o calor do Senhor de uma garrafa, graças a Deus há uma bem aqui’. Fiquei bêbada naquela noite. Muito bêbada. Eventualmente, fui colocada na cama da minha irmã Katie com ela. De manhã, não me lembrava como tinha chegado lá”, detalha a atriz num trecho do livro, adiantado pela revista People.

Embora diga que não sabe “se teria sobrevivido à infância sem o alcoolismo”, a situação ficou pior durante a adolescência e nos tempos de faculdade. A atriz lembra uma vez que foi estuprada por um homem, talvez dois, durante umas férias de verão da universidade.

“Não sei se os dois me estupraram. Um deles definitivamente o fez. Fiquei paralisada e quieta, e esperei que acabasse”, conta.

O abuso, no entanto, não foi o único que ela sofreu em sua vida. “Gostaria de poder dizer que o que aconteceu comigo naquela noite foi uma anomalia, mas não foi. Fui estuprada várias vezes porque estava bêbada demais para dizer ‘por favor, pare’”, completa o texto.

Ela só decidiu ficar sóbria em 2016.

Falando para a People sobre o livro, a atriz acrescentou que lembrar de tudo para escrever a obra foi uma revelação.

“Minha sensação de trauma era maior do que eu imaginava. Não sabia que a agressão era tão central na minha vida. Eu tinha tanta vergonha e culpa. Sou grata por me sentir segura o suficiente para colocar isso numa página. E então posso trabalhar nisso com um terapeuta e com outros escritores, e realmente aliviar esse fardo da vergonha em mim mesma”, disse.