Divulgação/Copacabana Filmes

Festival de Cannes vai exibir cópia restaurada de “Deus e o Diabo na Terra do Sol”

Um dos maiores clássicos do cinema brasileiro, “Deus e o Diabo na Terra do Sol”, vai ganhar sessão de gala no Festival de Cannes para a projeção de uma cópia restaurada em 4K.

O filme de Glauber Rocha teve sua première mundial no próprio festival, em 1964. Na época, arrancou tantos elogios da crítica internacional que acabou dando ao Cinema Novo o status de um dos mais importantes movimentos cinematográficos do mundo.

A versão restaurada será uma das atrações da seção Cannes Classics, dedicada à preservação do patrimônio cinematográfico mundial.

O trabalho de digitalização e remasterização da película em 4k foi comandando pelo produtor Lino Meireles em parceria com a diretora Paloma Rocha, filha de Glauber Rocha, e realizado na Cinecolor, empresa parceira da Cinemateca Brasileira.

A cópia original estava armazenada na Cinemateca, em São Paulo, e consistia de cinco latas de negativos 35mm em perfeitas condições. Por sorte, os rolos não estavam no local que pegou fogo e que guardava parte do acervo de Glauber Rocha, considerado perdido até um relato oficial dar conta do desastre causado pelo incêndio.

“Deus e o Diabo na Terra do Sol” segue o vaqueiro Manuel (Geraldo del Rey) e sua esposa Rosa (Yoná Magalhães) em fuga para o sertão, após ele matar um coronel que tenta enganá-lo. No sertão deserto e assolado pela seca, eles encontram duas figuras icônicas: Sebastião (inspirado em Antonio Conselheiro e vivido por Lidio Silva), que se diz divino, e o cangaceiro Corisco (Othon Bastos), que se descreve como demoníaco. Enquanto isso, o mercenário Antonio das Mortes (Maurício do Valle) está em seu encalço.

Vale lembrar que o filme ganhou uma sequência, “O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro” (1969), centrada no personagem Antonio das Mortes.

A 75ª edição do Festival de Cannes acontece entre os dias 17 e 28 de maio.