Divulgação/Manequim Filmes

“Morbius” e “Alemão 2” são principais estreias de cinema

Após vários adiamentos devido à pandemia, “Morbius” tem lançamento de blockbuster nesta quinta-feira (31/3), chegando em cerca de 650 cinemas e 1,8 mil salas.

O personagem-título faz parte do universo dos quadrinhos do Homem-Aranha, cujo último filme, “Homem-Aranha: Sem Volta para Casa”, consagrou-se como a segunda maior bilheteria do país em todos os tempos. Só que a atual produção não agradou nada à crítica americana e, mesmo com uma estreia embalada pelo excesso de ofertas, deve ter uma passagem relâmpago entre os títulos mais vistos.

Por isso, a melhor opção da semana é o policial nacional “Alemão 2”, que também é o segundo lançamento mais amplo, disponibilizado em 262 salas. Sequência do filme que vendeu quase 1 milhão de ingressos em 2014, “Alemão 2” não deve nada ao cinema de ação americano e é um retrato do Brasil atual. Além disso, é o primeiro título da Manequim Filmes, nova divisão da Vitrine dedicada a obras de maior apelo comercial.

Há mais seis títulos, entre eles dois documentários brasileiros. À exceção da animação europeia “Epa! Cadê Noé? 2”, são todos lançamentos limitados. Confira abaixo a lista completa de estreias, principais detalhes e os respectivos trailers.

 

MORBIUS

Cercado de expectativas após o sucesso de “Homem-Aranha: Longe de Casa”, o novo filme da Marvel passado no universo do herói aracnídeo é um grande anticlímax. Destruído pela crítica internacional por ser 1h44 de tédio, atingiu apenas 19% de aprovação (e caindo) no Rotten Tomatoes e já está sendo cotado para o próximo troféu Framboesa de Ouro – que neste ano premiou seu astro, Jared Leto, como Pior Ator por “Casa Gucci”.

No filme, Michael Morbius (Leto) é um bioquímico vencedor do Prêmio Nobel que, ao tentar descobrir a cura para sua doença terminal, transforma-se acidentalmente num vampiro. Embora tenha ficado superpoderoso como efeito colateral, ele precisa lutar contra o desejo de matar e se alimentar de sangue humano.

O roteiro é da dupla Burk Sharpless e Matt Sazama (do infame “Os Deuses do Egito”), a direção está a cargo do sueco Daniel Espinosa (“Vida”) e o elenco inclui ainda Tyrese Gibson (“Velozes e Furiosos 8”), Jared Harris (“Chernobyl”), Adria Arjona (“Círculo de Fogo 2: A Revolta”), Matt Smith (“Noite Passada em Soho”) e Michael Keaton, retomando o papel do vilão Abutre de “Homem-Aranha: De Volta ao Lar” (2017).

 

ALEMÃO 2

Lançado em 2014, “Alemão” mostrava uma equipe policial encurralada por traficantes no morro carioca que batizava a produção e se tornou um dos melhores thrillers brasileiros recentes. A continuação vai pela mesma trilha, acompanhando outra equipe encurralada após uma operação contra um líder do tráfico dar errado.

Novamente dirigido por José Eduardo Belmonte, “Alemão 2” lembra que o Brasil sabe fazer bons thrillers policiais. Totalmente tenso e repleto de ação, o filme ainda embute crítica social e supera o primeiro por ser ainda mais realista. E o elenco também merece aplausos pela entrega, começando por Leandra Leal (“Aruanas”), Vladimir Brichta (“Bingo: O Rei das Manhãs”), Gabriel Leone (“Dom”), Mariana Nunes (“Carcereiros”), Aline Borges (“Verdades Secretas”), Dan Ferreira (“Segundo Sol”), Digão Ribeiro (“Dom”) e Zezé Motta (“3%”).

 

EPA! CADÊ NOÉ? 2

Continuação de um desenho animado de 2015, a produção da Irlanda e de Luxemburgo representa um avanço técnico em relação ao original, mas a falta de uma boa história e a animação rígida dos personagens explicam seus meros 20% de aprovação no Rotten Tomatoes. O segundo filme pior avaliado da semana acompanha os animais da Arca de Noé em sua jornada, enquanto alguns caem no mar e vão parar em terra firme.

 

A MULHER DE UM ESPIÃO

O cineasta Kiyoshi Kurosawa tem se alternado entre terrores cultuados e dramas premiados. O novo trabalho pertence ao segundo grupo e conquistou nada menos que 9 prêmios internacionais, inclusive Melhor Direção no Festival de Veneza de 2020. A trama gira em torno da decisão de um comerciante de deixar sua esposa no Japão para viajar até a China no começo da 2ª Guerra Mundial, onde testemunha um ato de barbárie. Suas ações causam mal-entendidos, ciúmes e problemas legais para sua esposa.

Melhor filme internacional da semana, tem 89% de aprovação no Rotten Tomatoes.

 

MATEÍNA – A ERVA PERDIDA

A comédia uruguaia imagina um futuro em que a erva-mate é considerada uma droga e proibida em todo o mundo. Para salvar não só o hábito, mas a identidade de seu povo, dois vendedores ilegais iniciam uma viagem rumo ao Paraguai para contrabandear a erva, perseguidos por um agente da lei implacável. Diretores e elenco são estreantes.

 

PAJEÚ

O primeiro filme solo de Pedro Diógenes, que anteriormente dirigiu seis longas em parcerias, combina fábula urbana com uma abordagem documental para contar a história de um riacho da cidade de Fortaleza, que atualmente corre encanado e esquecido sob a capital. A trama usa o recurso dramático da pesquisa de uma professora, após ter pesadelos recorrente com uma criatura que emerge das águas. Logo, o trabalho passa a questionar memória, tendo como parâmetro o esquecimento da origem da fonte da água pela população.

 

O PRESIDENTE IMPROVÁVEL

O documentário sobre o governo de Fernando Henrique Cardoso foi um caso exemplar da situação atual do comando da Ancine, entidade criada para fomentar a produção cinematográfica nacional. A mesma Ancine que liberou a captação de verbas para um filme sobre a eleição de Jair Bolsonaro (“Nem Tudo se Desfaz”) atacou esse trabalho de Belisário Franca (“Menino 23: Infâncias Perdidas no Brasil”) com censura política, dizendo que a aprovação de seu incentivo daria “margem a inegável promoção da imagem pessoal do ex-presidente da república homenageado no documentário, com o notório aproveitamento político, às custas dos cofres públicos”.

Isso aconteceu no governo presidido por quem já disse que gostaria de matar FHC. Em 1999, Bolsonaro declarou seus planos de golpe e assassinato em massa, caso chegasse ao poder, com a seguinte frase histórica: “Através do voto você não vai mudar nada nesse país, nada, absolutamente nada. Você só vai mudar, infelizmente, quando um dia nós partirmos para uma guerra civil aqui dentro. E fazendo um trabalho que o regime militar não fez, matando uns 30 mil. Começando com FHC, não deixando ir para fora, não. Matando! Se vai (sic) morrer alguns inocentes, tudo bem”.

Em contraste com o pior governo da História do Brasil, o documentário, que tem entrevistas de Gilberto Gil, Bill Clinton e Pedro Malan, entre outros, celebra o melhor presidente de todos, que implementou o Real, acabou com a inflação, privatizou a telefonia, dando início à era dos celulares, e quebrou patentes da indústria farmacêutica para baratear remédios com o lançamento dos genéricos, sem esquecer os auxílios à população, que foram a base sobre a qual Lula ergueu o Bolsa Família. Vale a pena assistir para comparar e constatar como o país perdeu o rumo.

 

1999 – A CONQUISTA DA AMÉRICA

Conclusão de uma leva de documentários palmeirenses, que começou com “12 de junho de 1993 – O Dia da Paixão Palmeirense” e teve também “Palmeiras – O Campeão do Século”, o filme dirigido por Marcela Coelho, Mauro Beting e Ricardo Aidar celebra o primeiro título do Palmeiras na Copa Libertadores, conquistado em 1999.