Divulgação/Paramount+

Confira as 10 melhores séries estreantes da semana

A lista com as 10 melhores séries da semana é uma boa mostra da variedade e qualidade resultante da guerra dos streamings, que tem como vitorioso o público consumidor. Há boas opções para os fãs geeks de sci-fi e fantasia, minisséries dramáticas para quem gosta de histórias reais sobre o mundo atual, suspenses eletrizantes, comédias divertidas de época, animações adultas violentas e até um documentário sobre um dos maiores “power couples” da história cultural brasileira.

Confira abaixo a seleção de estreias, com os principais detalhes e seus respectivos trailers.

 

STAR TREK: PICARD | AMAZON PRIME VIDEO

Continuação da série clássica “Star Trek: A Nova Geração”, a nova produção acompanha o ex-capitão da Enterprise Jean Luc Picard (Patrick Stewart) em sua aposentadoria, mais agitada que seus dias de combates espaciais.

Na 2ª temporada, Picard e sua nova tripulação vão parar numa linha temporal alternativa, e com dicas do vilão clássico Q (John de Lancie), lançam-se numa missão que envolve viagem ao passado para impedir que a utopia trekker vire um distopia fascista.

Interessante reparar que o responsável pela nova história é Terry Matalas, produtor-roteirista que criou a cultuada série “12 Macacos” (12 Monkeys) sobre, coincidentemente, viagens no tempo para impedir um cenário apocalíptico.

 

OUR FLAG MEANS DEATH | HBO MAX

Depois de zoar vampiros em “What We Do in the Shadows”, Taika Waititi ridiculariza piratas em sua nova produção de comédia. Criada por David Jenkins (criador de “People of Earth”), a trama gira em torno das aventuras do pirata Stede Bonnet, um aristocrata que deixou de lado uma vida de luxos para virar pirata ao lado do infame Barba Negra. Por sua educação refinada, ele era conhecido como “O Pirata Cavalheiro”. Mas embora o personagem tenha existido, a comédia é tudo menos uma dramatização de eventos históricos. Mais para uma avacalhação histórica.

O papel de Bonnet é interpretado por Rhys Darby (“Jumanji: Bem-Vindo à Selva”) e o elenco ainda inclui Fred Armisen (“Schmigadoon!”), Nat Faxon (“The Conners”), Leslie Jones (“Caça-Fantasmas”), Ewen Bremner (“Trainspotting”), Joel Fry (“Cruella”) e o próprio Waititi (depois de viver Hitler em “Jojo Rabbit”) como Barba Negra.

 

SHINING VALE | STARZPLAY

O terrir que marca a volta de Courteney Cox à TV traz a estrela de “Friends” e da franquia “Pânico” como uma escritora de sucesso com dificuldades para escrever seu próximo livro. Em busca de paz e inspiração, ela opta por sair da cidade grande com o marido e filhos, só que a residência escolhida é um local onde ocorreram atrocidades terríveis numa cidade do interior dos EUA. Embora ninguém pareça notar que a casa é mal-assombrada, ela começa a ver uma fantasma, que diz ser uma musa, embora também possa ser um sintoma de esquizofrenia ou um demônio maligno tentando possuí-la.

Desenvolvida por Jeff Astrof (“Trial & Error”) e Sharon Horgan (“Catastrophe”), esta “versão” feminina de “O Iluminado” ainda destaca Greg Kinnear (“The Stand”) como o marido, Gus Birney (“Dickinson”) e Dylan Gage (“PEN15”) como os filhos, Mira Sorvino (“Hollywood”) como a fantasma e Sherilyn Fenn (“Twin Peaks”) como a corretora que vende ao casal a casa amaldiçoada. Os dois primeiros episódios chegam no domingo (6/3) em streaming.

 

O TURISTA | HBO MAX

A minissérie de suspense traz Jamie Dornan (“Cinquenta Tons de Cinza”) como uma vítima de acidente de carro, que desperta com amnésia numa cidadezinha australiana sem ter ideia de quem é nem como foi parar lá. Entretanto, há quem saiba de tudo e queira se certificar de sua morte no “acidente”.

Coprodução da HBO com a rede britânica BBC e a plataforma australiana Stan, “The Tourist” é criação dos irmãos Harry e Jack Williams, que também criaram “Angela Black”, disponível na Globoplay.

 

THE DROPOUT | STAR+

Amanda Seyfried (“Mamma Mia!”, “Mank”) estrela a minissérie sobre a startup de Elizabeth Holmes, empreendedora que chegou a ser chamada de “a Steve Jobs da nova geração” graças ao lançamento de uma tecnologia revolucionária, capaz de identificar doenças graves por um simples exame de sangue. Só que depois de sua empresa Theranos ser avaliada em bilhões de dólares, tudo desmoronou com a revelação de que nenhuma de suas tecnologias realmente funcionava, colocando a saúde de milhares de pessoas em sério risco.

Com roteiro e direção de Elizabeth Meriwether (criadora de “New Girl”), a atração tem um elenco grandioso, que também destaca Anne Archer (“The L Word”), Naveen Andrews (“Lost”), Laurie Metcalf (“Lady Bird”), William H. Macy (“Shameless”), Utkarsh Ambudkar (“Ghosts”), Michael Ironside (“Anônimo”), Sam Waterston (“Law & Order”), Kurtwood Smith (“That ’70s Show”), Elizabeth Marvel (“Manifest”), Stephen Fry (“It’s Sin”), Michaela Watkins (“The Unicorn”) e Ebon Moss-Bachrach (“O Justiceiro”).

 

LAKERS: HORA DE VENCER | HBO MAX

Criação do roteirista Max Borenstein (de “Godzilla”) dirigida por Adam McKay (de “Não Olhe para Cima”), a série recria com visual impecável e tom de comédia a era de ouro do time Los Angeles Lakers, que dominou o basquete da década de 1980.

A trama mostra como um empresário chamado Jerry Buss conseguiu revolucionar todo o esporte em 1979 ao montar um time extremamente popular e vencedor, liderado por um novato chamado Earvin “Magic” Johnson. John C. Reilly (“Kong: A Ilha da Caveira”) vive Buss e o estreante Quincy Isaiah é Magic Johnson.

O elenco ainda destaca o também estreante Solomon Hughes como outra lenda do basquete, Kareem Abdul-Jabbar, além de Adrien Brody (“O Grande Hotel Budapeste”) como o técnico campeão Pat Riley, além de Jason Clarke (“O Eterminador do Futuro: Gênesis”), Sally Field (“O Espetacular Homem-Aranha”), Hadley Robinson (“Moxie”), Rob Morgan (“Mudbound”), Jason Segel (“How I Met Your Mother”), Michael Chiklis (“Quarteto Fantástico”) e muitos outros.

 

NINGUÉM PODE SABER | NETFLIX

A série de suspense traz Toni Collette (“Entre Facas e Segredos”, “Hereditário”) como uma mãe cheia de segredos, que num jantar mostra uma habilidade desconhecida e fora do normal ao impedir que um criminoso armado mate a filha, operadora de serviços de emergência. Quando o vídeo do momento viraliza, antigos inimigos surgem em busca de vingança, fazendo a filha questionar a identidade real da mãe.

A filha é vivida por Bella Heathcote (“Professor Marston e as Mulheres-Maravilhas”) e a produção, gravada na Austrália, vale mesmo pelo desempenho das boas atrizes, uma vez que a trama, baseada no romance homônimo da escritora Karin Slaughter e adaptada pela roteirista Charlotte Stoudt (“House of Cards”), segue um rumo previsível para chegar num final anticlimático – ops, ninguém podia saber?

 

THE BOYS PRESENTS: DIABOLICAL | AMAZON PRIME VIDEO

O spin-off animado de “The Boys” destaca cenas de carnificina e um tema recorrente: com grandes poderes vem grandes fatalidades. Mas seus roteiros também surpreendem pela sensibilidade. Cada um dos oito episódios curtos tem seu próprio estilo de animação e foram escritos por estrelas como Awkwafina (“Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis”), Andy Samberg (“Brooklyn Nine-Nine”), Garth Ennis (o criador dos quadrinhos de “The Boys”), Ilana Glazer (criadora de “Broad City”), Aisha Tyler (“Criminal Minds”) e outros.

Atores famosos também dão vozes aos personagens, incluindo os autores Awkwafina e Andy Samberg, o produtor Seth Rogen (“Vizinhos”), Michael Cera (“Scott Pilgrim contra o Mundo”), Don Cheadle (“Vingadores: Ultimato”), Kieran Culkin (“Succession”), Giancarlo Esposito (“Better Call SAul”), Jason Isaacs (“Star Trek: Discovery”), Kumail Nanjiani (“Eternos”), Ben Schwartz (“Parks and Recreation”), Christian Slater (“Mr. Robot”), Kevin Smith (“O Balconista”), Nasim Pedrad (“New Girl”), Simon Pegg (“Missão Impossível: Efeito Fallout”), Kenan Thompson (“Kenan”), sem esquecer de Elisabeth Shue, Chace Crawford e Antony Starr, que dublam seus personagens da série “The Boys”.

 

DEATH NOTE | HBO MAX

Considerado um anime clássico, a série sobrenatural capricha na tensão psicológica e ainda faz questionar se o protagonista é herói ou vilão. A história foi desenvolvida em mangá por Tsugumi Ohba e Takeshi Obata em 2003 e conta a história do estudante Light Yagami, que encontra um caderno assombrado e seu guardião shinigami — uma entidade da morte na cultura japonesa – , capaz de matar qualquer um que tenha o seu nome escrito nele. Logo, o garoto começa a usar o caderno para eliminar criminosos, chamando a atenção da polícia.

O mangá também já foi adaptado numa série com atores no Japão, além de ter rendido diversos filmes, inclusive uma versão americana na Netflix. A adaptação em anime tem apenas uma temporada de 37 episódios (todos disponibilizados pela HBO Max), originalmente lançada em 2006. Mas só foi descoberta pelo brasileiro médio no ano passado, quando o programa Domingo Espetacular fez grande alarde sobre os supostos perigos da animação japonesa para as crianças que a assistirem. Importante: o desenho é para adultos. Os fãs criaram vários memes para ridicularizar o sensacionalismo da Record.

 

ELZA E MANÉ – AMOR EM LINHAS TORTAS | GLOBOPLAY

A série documental aborda o casamento tumultuado de Elza Soares e Mané Garrincha em quatro episódios, mas sob a ótica moderna e não como foi tratado pela mídia conservadora do passado.

Dirigido e roteirizado por Carolina Zilberman, que faz parte da editoria de Esporte da Globo, a atração começa mostrando a origem de cada um e como se conheceram em 1962. O segundo capítulo é focado na decadência do atleta e na perseguição que o casal sofreu da imprensa, da sociedade e da ditadura. A terceira parte acompanha o exílio na Itália, o fim do casamento e a barra pesada de violência doméstica que a cantora viveu. E o capítulo final trata da morte do jogador da seleção brasileira de futebol e a tentativa da cantora de reerguer a carreira, o que resultou em sua ascensão como uma das maiores cantoras do país. Elza veio falecer em 20 de janeiro de 2022, no mesmo dia em que o ex-marido tinha morrido 39 anos antes.

A produção conta com três entrevistas inéditas e profundas de Elza, que falou abertamente sobre seu relacionamento com Garrincha, semanas antes de morrer. Ela abordou da paixão arrebatadora, que descreve como “uma coisa assim de louco”, ao alcoolismo do ex-marido, doença que levou à separação do casal. Junto disso, também enquadra o machismo da época, que fez a cantora se tornar a pessoa mais odiada do Brasil, condenada pela opinião pública por “acabar com a carreira” de Garrincha, um dos maiores ídolos do futebol brasileiro, enquanto apanhava em casa.