Divulgação/Geffen Records

Processo do “bebê do Nirvana” é rejeitado

Deu em nada o processo movido por Spencer Elden, que foi o bebê da capa do álbum “Nevermind”, do Nirvana. Um juiz da Califórnia rejeitou nesta segunda-feira (4/1) a ação movida contra a banda, herdeiros e gravadoras por suposta pornografia infantil, devido a uma imagem de Elden pelado.

O rapaz aproveitou os 30 anos do álbum de 1991 para processar o Nirvana no ano passado, alegando que foi vítima de exploração sexual e que a obra constituía abuso sexual infantil. Na ação, ele afirma que a foto lhe causou “sofrimento emocional extremo e permanente”, bem como perda de oportunidades de trabalho e da “alegria de viver”.

O jovem solicitou indenização de pelo menos US$ 150 mil de cada um dos 15 réus, que incluem os membros sobreviventes da banda, a viúva de Kurt Cobain, Courtney Love, e as gravadoras que lançaram ou distribuíram o disco nas últimas três décadas.

A defesa dos músicos reagiu e pediu o fim do processo em dezembro, alegando falta de mérito. Os advogados demonstraram que, se a teoria de Elden fosse legítima, qualquer um que possuísse uma cópia do disco seria culpado por posse de pornografia infantil, por exemplo. Além disso, destacaram que, até recentemente, o jovem usufruía com prazer da notoriedade adquirida como o “bebê do Nirvana”.

“Ele reencenou a fotografia muitas vezes; tatuou o título do álbum no peito; apareceu em um talk show vestindo um macacão cor nude e fez uma paródia de si mesmo; autografou cópias da capa do álbum para vender no eBay; e usou a fama para tentar se aproximar de mulheres”, diz o texto da resposta jurídica ao processo.

A equipe de advogados de Elden tinha até 30 de dezembro para responder a solicitação do Nirvana, mas não o fez, o que motivou a ação do juiz Fernando Olguin.

Elden ainda pode recorrer da decisão até o dia 13 de janeiro.