Divulgação/Sony

“Homem-Aranha” passa “Pantera Negra” e vira 12ª bilheteria mundial

“Homem-Aranha: Sem Volta para Casa” atingiu US$ 1,37 bilhão em todo o mundo, o que equivale à 12ª maior bilheteria mundial de todos os tempos, deixando para trás “Pantera Negra” (US$ 1,35 bilhão).

Deste total, US$ 609,9 milhões foram conquistados com arrecadação doméstica, o suficiente para a coprodução da Sony e da Disney/Marvel entrar no Top 10 de todos os tempos da América do Norte. Só neste fim de semana, a conta aumentou US$ 52,7 milhões nos EUA e Canadá.

Valor igualmente impressionante veio do mercado exterior, onde atingiu US$ 759 milhões ao todo, feito conquistado sem lançamento na China.

Graças ao sucesso do filme, a receita de Hollywood com venda de ingressos de 2021 foi o dobro de 2020 – mas continua 60% menor que a de 2019, antes da pandemia.

Embora os lançamentos de super-heróis tenham sido a melhor notícia do mercado, aos poucos a vacinação das crianças tem melhorado também o desempenho das animações.

Não por acaso, o segundo filme mais visto na América do Norte foi “Sing 2”, da Illumination/Universal, com US$ 19,6 milhões no fim de semana e um total de US$ 89,8 milhões em 14 dias nos cinemas dos EUA e Canadá. Em todo o mundo, a produção está com US$ 144,5 milhões.

Enquanto isso, “King’s Man: A Origem” e “Matrix Resurrections” sofrem para se pagar. O prólogo de “Kingsman” ficou em 3º lugar com US$ 4,5 milhões, atingindo um total doméstico de US$ 19,5 milhões em 14 dias e uma soma global de US$ 47,8 milhões.

Já “Matrix Resurrections” – que foi lançado simultaneamente na HBO Max nos EUA – teve uma queda de arrecadação maior do que qualquer outro título no top 10 – 64% – , revelando o impacto negativo da estratégia da Warner de lançar seus filmes nos cinemas e no streaming ao mesmo tempo.

Em 5º lugar, a retomada da franquia “Matrix” fez apenas US$ 3,8 milhões para atingir um total doméstico de US$ 30 milhões em 14 dias. Seu desempenho foi tão ruim que foi ultrapassado até por “American Underdog”, um filme cristão sobre um jogador de futebol americano que faturou US$ 4,1 milhões – e US$ 15 milhões em 9 dias, sem distribuição internacional.

“Matrix Resurrections” tem se saído melhor no exterior, onde não está disponível em streaming, com uma bilheteria internacional de US$ 75,1 milhões e um total global de US$ 106 milhões. O problema é que isso não paga nem a campanha de marketing do filme, que teria custado US$ 190 milhões para ser produzido.