Divulgação/Pandora

“Deserto Particular” é o candidato brasileiro ao Oscar 2022

A Academia Brasileira de Cinema e Artes Audiovisuais escolheu “Deserto Particular”, do diretor Aly Muritiba, como representante do Brasil no Oscar 2022. Premiado no Festival de Veneza, o longa tentará uma vaga na categoria de Melhor Filme Internacional na premiação da Academia americana.

“Deserto Particular” lida com aquilo que o diretor chama de “os afetos masculinos no Brasil contemporâneo” e traz Antonio Saboia (“Bacurau”) como protagonista, no papel de um policial curitibano. Profissional exemplar, ele comete um erro e é afastado de sua função, colocando sua carreira e honra em risco. Sua única alegria é uma moradora do sertão da Bahia com quem se relaciona virtualmente. Não vendo mais sentido em continuar vivendo em Curitiba, ele parte em busca da mulher após seu desaparecimento. Mas logo tem uma surpresa, ao encontrar o personagem de Pedro Fasanaro (“Onde Nascem os Fortes”).

Bastante aplaudido ao ser exibido em Veneza, o longa venceu o prêmio do público da mostra paralela Venice Days e fará sua estreia brasileira na 45ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, que começa na próxima semana. O lançamento comercial está marcado para o dia 25 de novembro.

Em comunicado, Aly Muritiba se disse “extremamente feliz e honrado” de ter seu filme escolhido para representar o Brasil na corrida do Oscar em 2022.

“‘Deserto Particular’ é um filme de amor, feito num país conflagrado, dividido, que vem sido regido no signo sob o discurso do ódio, e ter, nesse contexto, nesse momento histórico, um filme de amor como o escolhido para representar nosso país, é uma bela mensagem, um belo sinal, mandado pelos representantes da Academia Brasileira de Cinema. Um recado de crença no cinema, e de crença no poder transformador do amor, da tolerância, do encontro. Fico muito feliz de ter essa responsabilidade, de levar pra os membros da Academia Norte-americana (sic) de Cinema uma outra visão, uma visão distinta de Brasil. Um Brasil mais tolerante, amável. Um Brasil que está muito mais disposto ao encontro, ao sorriso e ao prazer do que à disputa, à guerra, à raiva e ao ódio”, declarou Muritiba.

Além de “Deserto Particular”, também disputaram a vaga os filmes “7 Prisioneiros”, “A Nuvem Rosa”, “A Última Floresta”, “Cabeça de Nêgo”, “Callado”, “Carro Rei”, “Cavalo”, “Doutor Gama”, “Limiar”, “Medida Provisória”, “Meu Nome é Bagdáa”, “Por que Você não Chora?”, “Selvagem” e “Um Dia Com Jerusa”.

O longa vai se juntar agora a produções de mais de 70 países, que serão examinadas por um comitê especializado da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos EUA (AMPAS, na sigla em inglês), responsável por fazer uma primeira peneira e selecionar os títulos que seguirão na disputa. Na edição passada, foram pré-selecionados 15 filmes, antes do número ser reduzido para os 5 finalistas – os indicados oficiais – na disputa do Oscar.

O Brasil não emplaca um indicado há 22 anos, desde o excelente “Central do Brasil” em 1999, que também rendeu indicação a Fernanda Montenegro como Melhor Atriz. Em 2008, “O Ano em Que Meus Pais Saíram de Férias” chegou a ser pré-indicado, mas não foi incluído na lista final da Academia.

No ano passado, o candidato brasileiro foi o documentário “Babenco: Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer Parou”, de Bárbara Paz.

A lista dos indicados em todas as categorias será anunciada em 8 de fevereiro e a premiação do Oscar acontecerá em 27 de março de 2022, com transmissão ao vivo no Brasil pelos canais Globo e TNT.