Divulgação/Globo

Cissa Guimarães deixa a Globo após mais de quatro décadas

A Globo perdeu mais uma apresentadora nesta sexta (29/10). Cissa Guimarães não teve seu contrato renovado após mais de quatro décadas na emissora.

Com isso, a artista de 64 anos não vai mais apresentar o “É de Casa”, juntando-se a Fausto Silva e Thiago Laifert nas despedidas do ano, que têm acarretado mudanças radicais na programação do canal.

Em comunicado oficial, a Globo destacou a longa parceria com Cissa, ressaltando que a não renovação se deve a seu novo modelo de negócios, que prioriza contrato por obra, ao mesmo tempo em que reforça estar aberta a projetos futuros com a artista.

“O ‘É de Casa’ se despede de Cissa Guimarães, que deixa a Globo após uma parceria alegre e de sucesso de mais de quatro décadas. A atriz e apresentadora, que esteve no comando do matinal desde a estreia, em 2015, continua com as portas abertas na Globo para futuros projetos em nossas múltiplas plataformas, mas em um novo modelo de parceria”, pronunciou-se a emissora.

O texto oficial também inclui uma declaração da artista: “Fui muito feliz nesse casamento de mais de 40 anos. E é isso que vou levar: as boas parcerias, os imensos aprendizados, os momentos felizes, emocionantes e compartilhados, que ficaram para a história – minha, do público e da TV Globo. A minha gratidão mora aí, nesse sentimento lindo e nessa vida que construímos juntos”.

Mais que a apresentadora do “É de Casa”, a Globo perde um sorriso que marcou sua programação desde os anos 1980, quando Cissa assumiu com muito sucesso o “Vídeo Show” (1983-2019), dividindo-se entre apresentação e reportagens. Em entrevista ao projeto Memória Globo, ela demonstrou orgulho dessa fase. “Eu fico muito orgulhosa porque ajudei a criar no ‘Vídeo Show’ uma nova maneira de narrar, sem aquela coisa certinha, pasteurizada”, declarou ela em entrevista para o Memória Globo. De fato, seu padrão – por sua vez inspirado por locutoras de rádio da época – , acabou influenciando os primeiros apresentadores da MTV, uma década depois.

Antes mesmo disso, ela já tinha chamado atenção como atriz – em novelas como “Coração Alado” (1980) e “Jogo da Vida” (1981), e filmes como “Menino do Rio” e “Beijo na Boca” (ambos de 1982) – , e continuou desenvolvendo trabalhos de atuação em paralelo ao “Video Show”, com destaque para participações em “Direito de Amar” (1987), “O Clone” (2001), “América” (2003), “Caminho das Índias” (2005) e “Salve Jorge” (2012), as quatro últimas escritas pela amiga Gloria Perez.

O tempo para atuação diminuiu com o lançamento do “É de Casa” em 2015, mas ela ainda apareceu brevemente em “Amor de Mãe” no ano passado, interpretando a si mesma.