Instagram/Britney Spears

Justiça mantém Britney Spears sob tutela de seu pai

A juíza responsável pelo caso da tutela legal de Britney Spears negou o pedido do advogado da cantora para que o pai dela, Jamie Spears, deixe de ser o responsável por seu patrimônio.

Em sua decisão, a juíza Brenda Penny determinou que Jamie manterá a tutoria, mas passará a dividir o controle dos bens de Britney com a empresa de gestão de fortunas Bessemer Trust.

O pedido original foi feito em novembro de 2020, quando o advogado de Britney afirmou que a cantora tem medo de seu pai e se recusaria a subir no palco enquanto ele fosse seu tutor.

A juíza negou o pedido na época e reiterou a decisão hoje, dias depois do depoimento em que Britney pediu o fim de sua tutela, comparando-se a uma escrava que era drogada a forçada a trabalhar para enriquecer seu pai.

Ela é mantida pela justiça de Los Angeles refém de seu pai há 13 anos, mesmo sendo uma adulta capaz de trabalhar por conta própria. A situação incomum motivou o movimento #FreeBritney, criado pelos fãs da cantora, e inspirou o documentário “Framing Britney Spears”, que mostra como mídia e justiça machistas conspiraram para destruir a carreira da artista.

A situação encontra paralelos em outros casos escandalosos da História, como a internação forçada de Camille Claudel. O detalhe é que a escultura foi considerado louca por critérios de 100 anos atrás. Desde que foi considerada “incapaz”, Britney acumulou um patrimônio de mais de US$ 60 milhões, que é totalmente controlado por seu pai.

A artista ainda pode recorrer da decisão e voltar a pedir que Jaime Spears seja removido da tutela. O detalhe é que cada vez que vai à Justiça ela paga o trabalho de seus advogados e também dos advogados do pai. Só para este julgamento, seu pai cobrou US$ 2 milhões em despesas legais. Este é o estado surreal que a Justiça americana criou para a cantora.