Divulgação/Netflix

Rua do Medo: Trailer apresenta primeira parte da trilogia de terror

A Netflix divulgou o pôster nacional e o trailer legendado do primeiro filme da trilogia “Rua do Medo”, que será lançada ao longo de três fins de semanas consecutivos em streaming. Na prévia, adolescentes dos anos 1990 são perseguidos por um serial killer com máscara de Halloween ao som do rock “More Human than Human”, de Rob Zombie (diretor do primeiro remake de “Halloween”).

“Rua do Medo” é inspirada na famosa coleção literária de mesmo nome escrita por R.L. Stine, o “Stephen King da literatura infanto-juvenil”. Com livros publicados desde 1989, trata-se da segunda maior franquia do escritor, perdendo apenas para a mais popular de todas, “Goosebumps”, que já virou série de TV e filmes.

A adaptação estava em desenvolvimento desde 2015, originalmente com a intenção de ser apenas um filme. Agora, multiplicado pela plataforma que popularizou as maratonas de conteúdo, vai se estender por três longas passados em épocas diferentes – nos anos de 1666, 1978 e 1994 – , mas sempre no mesmo local: a pequena cidade amaldiçoada de Shadyside, em Ohio, nos EUA.

O elenco da trilogia vai reunir rostos conhecidos das séries e filmes da Netflix, como Maya Hawke e Sadie Sink de “Stranger Things”, Kiana Madeira, de “Gatunas”, Gillian Jacobs de “Love”, Olivia Welch de “Inacreditável”, Michael Provost de “Insaciável”, Benjamin Flores Jr. de “Fim do Mundo”, Chiara Aurelia de “Jogo Perigoso” e Ashley Zukerman de “Designed Survivor”.

Com direção de Leigh Janiak (do terror “Honeymoon” e de episódios da série “Pânico”/Scream), os filmes serão lançados semanalmente entre os dias 2 e 16 de julho, começando por “Rua do Medo: 1994” até chegar em “Rua do Medo: 1666”.

O detalhe é que história de 1666 é a origem e as demais lidarão com as consequências, mostrando jovens apanhados em eventos aterrorizantes, que remontam à séculos atrás. A ordem inversa busca explorar o medo do desconhecido, antes de revelar porque a matança está acontecendo.

Outra informação importante sobre o projeto é que os filmes terão classificação etária mais elevada que os livros, originalmente feitos para pré-adolescentes.