Divulgação/Miramax

Documentário denuncia traumas do elenco do polêmico filme “Kids”

Exibido neste fim de semana no Festival de Tribeca, em Nova York, o documentário “The Kids” voltou a alimentar discussões em torno do polêmico filme “Kids”, lançado em 1995.

Rodado com um orçamento apertado e um elenco formado por desconhecidos e amadores, “Kids” acompanhava um grupo de adolescentes skatistas, todos menores de idade, viciados em drogas e sexualmente promíscuos. Na época, a sexualidade escandalosa gerou críticas e problemas com o conselho de classificação etária dos EUA, que aplicou uma censura elevada, NC-17, a mais alta para lançamentos comerciais nos EUA. Mesmo assim, o filme arrecadou espantosos US$ 20,4 milhões nas bilheterias, catapultando as carreiras do diretor Larry Clark, do roteirista Harmony Korine e ainda lançou as agora estrelas Rosario Dawson e Chloë Sevigny.

Apesar do sucesso das duas atrizes, a maioria dos desconhecidos que Clark escolheu para desempenhar papéis importantes tiveram dificuldades para encontrar trabalho após a estreia do filme e ficaram frustrados por receberem uma ninharia enquanto o diretor e os irmãos Weinstein, que produziram o longa, tiveram um grande lucro com o lançamento. O documentário mostra como suas vidas foram afetadas pelo sucesso do filme.

“Meus sentimentos sobre o filme começaram a mudar depois que o vi no cinema e vi a reação global”, disse Hamilton Harris, roteirista-produtor do documentário e um dos atores não profissionais de “Kids”, que era um skatista de verdade na época do longa original.

Em entrevista à Variety, Harris declarou que “Kids”, na época considerado tão realista que poderia ser quase um documentário, era apenas sensacionalista, sem se preocupar com os aspectos positivos de sua geração, como o forte senso de comunidade que haviam criado e a intensidade de suas amizades, que durariam toda a vida.

“Éramos um grupo muito unido que andava de skate”, conta Harris. “Estávamos no lugar certo na hora certa e nos tornamos parte desse filme clássico e cultuado, e tivemos que lidar com tudo que veio com isso. Você pode tirar uma pessoa do gueto, mas não pode tirar o gueto de uma pessoa, e para mim gueto se refere ao trauma mental e emocional que passamos”.

Harris tentou expressar isso por mais de uma década, especialmente depois que dois de seus colegas de elenco, Justin Pierce e Harold Hunter, morreram jovens por suicídio e overdose, tentando dar sentido à notoriedade trazida por “Kids”.

“Há razões pelas quais Harold usava drogas e se isso não for compreendido, não podemos apreciar a plenitude de quem ele era como ser humano”, argumentou Harris. “E Justin. Ele estava no filme ‘Mais uma Sexta-Feira em Apuros’. Ele estava indo bem. Ele estava atuando, mas então ele se matou. O que leva uma pessoa a fazer isso? Precisamos entender.”

Em um ponto, ele decidiu transformar sua angústia em filme e começou a escrever um roteiro. Por meio de um amigo em comum, conseguiu entrar em contato com Eddie Martin, um documentarista que já tinha abordado o mundo do skate no filme “All This Mayhem”, em 2014. Os dois se entenderam instantaneamente e começaram a trabalhar em “The Kids”.

Para Martin, a história de “Kids” deve ser encarada como um conto de advertência. Algumas pessoas fizeram fortuna, enquanto as demais foram deixadas pelo caminho para lidar com as consequências.

“É complexo, especialmente quando você aborda adolescentes que realmente não têm muitas alternativas”, ponderou Martin. “Eles aproveitaram a oportunidade? Como, se muitos não tinham sequer lares. Eram fugitivos ou moravam em ambientes tóxicos. Eles confiaram muito nos profissionais de ‘Kids’ e deram tudo de si. E depois ficaram sem ninguém para ajudá-los ou lhes dar orientação para aproveitar a estreita janela de oportunidade que se abriu para eles”.

A filmagem de “Kids” foi tudo menos uma experiência profissional tradicional. Menores de idade foram filmados nus e as drogas exibidas nas telas não eram cenográficas, mas produtos reais prontamente disponíveis. Para muitos, a produção poderia ser mais bem descrita como um bacanal do que um set de cinema.

Sem participar dos lucros da exploração de suas imagens, o elenco também se viu estereotipado como meninos de rua amorais, o que complicou ainda mais suas chances de prosseguir na carreira, além de criar sentimentos conflitantes.

“Larry Clark costumava dizer: ‘Eu digo a verdade e a verdade pode ser chocante’”, lembra Martin. “Bem, minha resposta a isso é: a verdade de quem? ‘Kids’ foi comercializado de uma forma particular que teve um impacto sobre aqueles que foram vendidos como personagens específicos. Vinte e seis anos se passaram, então você pode ver as consequências disso.”

Nem Clark nem Korine concordaram em participar da produção de “The Kids”. E Martin ainda sugere que eles estariam tentando impedir o lançamento do documentário. Ele contou que houve contestações legais ao uso de imagens do filme de 1995 em seu trabalho.

“Alguém tem tentado impedir o filme de um ângulo legal”, diz Martin. “Eles estão tentando impedir o lançamento, mas estamos lutando pelo uso justo do material. Eles não podem impedir esses indivíduos de contar seu lado da história, então eles estão tentando fazer isso bloqueando o uso das imagens”.

Lembre abaixo o trailer de “Kids”.