Divulgação/Warner

Warner não fará “Liga da Justiça 2” nem versão do diretor de “Esquadrão Suicida”

A CEO da WarnerMedia Studios, Ann Sarnoff, deu uma entrevista à revista Variety nesta segunda (22/3) sobre o futuro da DC Comics nas telas após o lançamento de “Liga da Justiça de Zack Snyder”. E, para enterrar a esperança dos fãs, ela confirmou que não há planos para continuar a história do filme de Snyder.

“Queríamos dar a Zack a oportunidade de completar sua visão em um filme de quatro horas, o que seria impossível de fazer nos cinemas. Felizmente, temos a HBO Max para permitir que os fãs vejam todas as quatro horas da visão de Zack”, ela explicou. “Estamos muito felizes por ele ter conseguido trazer sua versão da ‘Liga da Justiça’ à vida, porque isso não estava nos planos até cerca de um ano atrás”, continuou. “Com isso, vem a conclusão de sua trilogia. Estamos muito felizes por termos feito isso, mas também estamos muito animados com os planos que temos para todos os personagens DC que estão sendo desenvolvidos agora”.

Em linguagem corporativa, cheia de rodeios para evitar compromissos, isso significa que o “SnyderCut” foi uma experiência única, que não dará frutos, pois corresponde a um passado já ultrapassado pela nova visão da empresa sobre como abordar as adaptações da DC. Na época de “Liga da Justiça”, todas as adaptações dos quadrinhos estavam sendo guiadas por uma única visão, com supervisão de Zack Snyder. Agora, há uma multiplicidade de visões, com muitas abordagens diferentes e individuais, que não compartilham necessariamente o mesmo universo, mas se expandem para além dos cinemas, em spin-offs para a HBO Max.

Esta abordagem significa que também não há planos para um “AyerCut” do “Esquadrão Suicida”, apesar da campanha do diretor para que isso acontecesse.

“Não iremos desenvolver a versão de David Ayer de ‘Esquadrão Suicida’”, disse Sarnoff, desta vez de forma categórica.

Questionada se isso significa que o estúdio não voltará a ouvir os fãs, como fez em relação ao lançamento do “SnyderCut”, ela ensaiou outra resposta corporativa, mas acabou deixando clara a visão da WarnerMedia para o futuro dos filmes e séries da DC.

“Sempre ouviremos nossos fãs, mas estamos a serviço de uma base muito ampla de fãs e devemos a eles uma estratégia integrada e holística. Nós somos os pastores dessas franquias e, esperançosamente, quando os fãs virem o que temos planejado, eles saberão que a DC está em boas mãos em muitas plataformas diferentes, com muitos criadores diferentes”.

“Queremos diversificar e permitir que os criadores interpretem partes do universo DC de maneiras únicas e especiais. Ta-Nehisi trabalhando em ‘Superman’ é incrivelmente empolgante, mal posso esperar para ver o que ele fará, e Andy Muschietti em ‘The Flash’ ou Patty Jenkins [com ‘Mulher-Maravilha]. Matt Reeves acabou de filmar ‘Batman’ em meio à pandemia de covid-19. Estamos muito empolgados para terminar esse filme e ver a reação das pessoas, porque a visão de Matt sobre o Batman é diferente das outras. Mesmo personagens familiares têm muitas possibilidades”, apontou.

“Uma das razões pelas quais estou entusiasmada com a nossa estratégia daqui para frente é que ela é multidimensional. Não estamos apenas servindo à mesma base de fãs com a mesma visão criativa, estamos tentando expandi-la. Nem todo fã tem que amar cada parte do que estamos fazendo, mas estamos lançando mais tentáculos para poder alcançar pessoas com histórias diferentes em plataformas diferentes, para que não haja cansaço. Não é apenas manter a cadência. Vamos misturar as coisas. Teremos uma lista de filmes da DC, mas será mais rica e multidimensional, com uma gama mais ampla de personagens. Isso ajudará a reduzir o cansaço, porque você verá uma história inteira sobre o Flash e depois sequências como “Aquaman 2”, ou novas versões do Superman, ou “Shazam” que apela um público mais familiar. Haveria cansaço se fôssemos por um caminho mais singular, mas porque estamos nos diversificando, teremos muito mais potencial para aumentar nosso alcance em várias demos e vários tipos de fãs”, concluiu.