Divulgação/NBC

Henry Darrow (1933 – 2021)

O ator Henry Darrow, que estrelou a série clássica “Chaparral”, morreu no domingo (14/3) em sua casa na Carolina do Norte, EUA, aos 87 anos.

Nascido Enrique Tomás Delgado Jr., o ator nova-iorquino era filho de imigrantes porto-riquenhos. Seus pais, Gloria e Enrique, administravam uma pousada/restaurante em Bedford Village, frequentada por gente como Humphrey Bogart e Tallulah Bankhead. Mas quando ele fez 13 anos, decidiram mudar a família para sua terra natal, Porto Rico.

Ele estudou ciência política e atuação na Universidade de Porto Rico e, logo em seguida, ganhou uma bolsa para o Pasadena Playhouse em 1954, onde teve aulas de música, dança, sapateado, esgrima e fonética, antes de iniciar a carreira em Hollywood.

Em 1957, ele fez um teste para a série “Zorro”, produzida pela Disney para a rede ABC. Ele perdeu o papel principal para Guy Williams, mas disse que aprendeu muito com a experiência. “Eu exagerei e lembro do diretor anunciar ao resto do elenco e da equipe: ‘Parece que temos um Barrymore espanhol em nossas mãos'”, contou em uma entrevista de 2016, dizendo que passou a se conter mais.

Sua estreia no cinema foi uma figuração no terror B “Sanha Diabólica” em 1959, seguida por um desempenho de vilão em “Vingança das Virgens” (1959), escrito por Ed Wood.

Depois de muitas participações como “mexicano” em séries passadas no Velho Oeste (de “Bonanza” a “Gunsmoke”), Darrow emplacou seu primeiro grande personagem, o charmoso Manolito Montoya, filho de um rico barão de terras mexicano (Frank Silvera) e irmão de Linda Cristal em “Chaparral”, série do produtor David Dortort, que havia criado o fenômeno “Bonanza”.

“Chaparral” foi a primeira série a apresentar uma família latina em pé de igualdade com um clã branco, uma raridade na época. E Darrow logo passou a roubar as cenas, interpretando uma variedade de facetas impressionantes, como um jogador de pôquer ousado, como conquistador de mulheres, herói de cenas de ação e até filósofo do interior.

A série durou quatro temporadas, de 1967 a 1971. Com o fim da atração, ele entrou na comédia “The New Dick Van Dyke Show” (1973) e no policial “Harry O” (1974).

Darrow também alternou muitos “episódios da semana” em produções como “Galeria do Terror”, “San Francisco Urgente”, “Missão: Impossível”, “Havaí 5-0”, “Kung Fu”, “Kojak!”, “Baretta”, “O Homem de Seis Milhões de Dólares”, “O Homem Invisível”, “Os Waltons”, “Mulher-Maravilha”, “O Incrível Hulk”, “Casal 20” e “Dallas”, além de integrar filmes como “Ruge o Ódio” (1973), ao lado de Robert Duvall, e “A Morte Pede Carona” (1986), com C. Thomas Howell e Jennifer Jason Leigh.

Em 1981, ele finalmente conseguiu viver Zorro, dando voz ao herói na série animada “As Novas Aventuras de Zorro”. Uma década mais tarde, ainda interpretou o pai do personagem na série “Zorro”, que teve quatro temporadas a partir de 1990. No mesmo ano, venceu seu primeiro e único Emmy, como Ator Coadjuvante em “Santa Barbara”, uma novela diurna com mais de 2 mil episódios.

Entre seus últimos papéis, estão os filmes “O Júri” (2003), “Primo” (2008) e “Soda Springs” (2012), premiado em três festivais americanos, que marcou sua aposentadoria.

Em seu último ano de atividade, o ator também lançou seu livro de memórias, “Henry Darrow: Lightning in the Bottle”, e recebeu o prêmio Ricardo Montalban pelo conjunto de sua obra no ALMA Awards (o Oscar latino). Um prêmio mais que adequado, já que Darrow ajudou Montalban a lançar em 1970 a Nosotros Organization, que visava ajudar atores latinos a se estabelecer na indústria do entretenimento dos EUA.