Divulgação/Globo

Autodestruição de Karol Conká rende recordes de audiência para a Globo

A rapper Karol Conká eletrizou o país com o papel de vilã no “BBB 21”, criando intrigas, brigas e confusões, e seu sucesso no programa foi atestado por recordes de audiência.

A eliminação da “mamacita” foi o episódio mais assistido do programa em uma década. Desde o “BBB 10”, nenhum outro dia do reality show tinha reunido tantos espectadores diante da televisão.

De acordo com dados prévios do Kantar Media Ibope, o episódio da noite de terça (23/2) obteve média de 37,7 pontos com pico de 39,9. Para se ter uma ideia, o índice é mais alto do que a final do “BBB 20”, considerado fenomenal com 34,2 pontos. O episódio também foi mais assistido que todos os da temporada anterior.

Para completar, a cantora ainda quebrou o recorde de rejeição do público ao ser eliminada com 99,17% dos votos.

Sua aparição na manhã desta quarta (24/2) no programa “Mais Você” também refletiu essa popularidade às avessas, atraindo o maior público desde a morte de Tom Veiga, que interpretava o Louro José.

De acordo com dados prévios do Ibope, a atração comandada por Ana Maria Braga registrou média de 14 pontos, com picos de 15. Isto significa que teve mais gente assistindo a reprimenda ao vivo de Karol Conká no “Mais Você” que pessoas vendo qualquer outra coisa naquele horário, porque a audiência somada de todos os outros canais não passou da metade do público da Globo.

Em contraste com o sucesso registrado pela emissora de TV, a recente “popularidade” não foi nada boa para a carreira da rapper num primeiro momento. Ela perdeu seguidores, contratos de publicidade e teve até programas de TV e shows cancelados por ter ficado com o estigma de maligna.

Durante a conversa no “Mais Você”, Karol afirmou estar arrependida de seus erros no “BBB 21”, mas percebeu que virou a “nova Carminha ou Nazaré”, referindo-se às vilãs das novelas “Avenida Brasil” (2012) e “Senhora do Destino” (2004).

Vários artistas “malvados” seguem carreiras bem-sucedidas no meio musical, especialmente no rap, onde não faltam pseudo-gângsteres.