Divulgação/Kondzilla

“Hino da vacina” de MC Fioti ganha clipe gravado no Butantan

O canal Kondzilla lançou neste sábado (23) o clipe de “Bum Bum Tam Tam (Remix Vacina Butantan)”, de MC Fioti. O hit virou o “hino” da vacina CoronaVac, devido à semelhança de seu refrão com o nome do Instituto Butantan, de São Paulo. Mas nem ele sabe como essa relação entre a música e a vacina começou.

Vale lembrar que “Bum Bum Tam Tam” já era um sucesso enorme. O clipe original, lançado em 2017, tornou-se o primeiro vídeo brasileiro a registrar 1 bilhão de visualizações no YouTube. Mas nas últimas semanas a música voltou à tona, viralizando em memes pela coincidência entre seu título e o Butantã.

Aproveitando a repercussão saudável, o cantor gravou uma variação da letra explicitando a referência: “É a vacina envolvente que mexe com a mente de quem tá presente / É a vacina saliente, que vai curar ‘nóis’ do vírus e salvar muita gente / Aí, eu falei assim pra ela: ‘Vai, vai no Butantan, vai no Bubutantan”.

Com isso, Fioti usou seu poder de comunicação para prestar um grande serviço público e ajudar a popularizar a vacinação no Brasil. Pegou tão bem que até o governador João Doria fez questão de ligar para o funkeiro e elogiar seu “sucesso butantante”. “Ele [Doria] me agradeceu pelo apoio que a gente tá dando para a vacina”, disse Fioti ao jornal Folha de S. Paulo. “Foi um papo legal. E eu cantei pra ele a música na versão da vacina.”

O clipe, que começa como continuação do vídeo original, foi gravado há oito dias, em 15 de janeiro, na sede do próprio Butantan e com participação de funcionários do Instituto na coreografia coletiva.

“Acho que a minha música, o funk, conversa muito com a comunidade. Por meio dessa nova versão e do clipe a gente vai conseguir passar a mensagem e eles vão se conscientizar de que a solução para a gente é se vacinar”, acrescentou Fioti, desta vez em entrevista ao G1.

Ele deu várias entrevistas nos últimos dias, inclusive para a imprensa internacional.

“Estou feliz de poder ajudar a nossa população através da música”, completou o jovem de 26 anos, filho de doméstica, que trabalhou em lanchonetes, foi ajudante de pedreiro e catou papelão e alumínio na rua, antes de virar um artista de sucesso.