Divulgação/20th Century Fox

Robert Rodriguez acredita que Alita: Anjo de Combate possa ganhar continuação na Disney+ (Disney Plus)

O cineasta Robert Rodriguez (“Sin City”) tem esperanças de filmar uma continuação de “Alita: Anjo de Combate”, adaptação de mangá que ganhou status cult após seu lançamento em 2019, apesar de não ter sido exatamente um sucesso de bilheterias. Em entrevista à revista Forbes, ele reparou que o filme ganhou segunda vida em vídeo e streaming, e a Disney+ (Disney Plus) pode ser uma boa alternativa para continuar a história.

“A Disney comprou a Fox e eles têm a Disney+ (Disney Plus), então é uma conversa que vale a pena”, afirmou o cineasta. “Sei que as pessoas adorariam assistir [a uma sequência] e eu amaria fazer mais um”, continuou.

Segundo Rodriguez, o streaming criou uma oportunidade maior para a produção de sequências, pois se aproveita de títulos com um público já estabelecido e os oferece aos fãs “da maneira mais fácil para eles consumirem. Não é uma má ideia”.

Rodriguez, por sinal, já tem trabalhos exibidos na Disney+ (Disney Plus). Ele dirigiu um episódio da 2ª temporada de “O Mandaloriano” (The Mandalorian) e vai produzir a vindoura série “O Livro de Boba Fett” (The Book of Boba Fett) na plataforma de streaming da Disney.

“Alita: Anjo de Combate” adaptou o mangá criado por Yukito Kishiro em 1990 sobre a ciborgue do século 26 chamada Alita (Rosa Salazar), que é encontrada em um ferro-velho por um cientista (Christoph Waltz). Sem memórias, ela demonstra uma habilidade letal para as artes marciais e tenta ser aceita entre os humanos, enquanto é perseguida por conta de seu passado.

A adaptação foi escrita pelo cineasta James Cameron (“Avatar”), que também assina a produção e tinha planos para dirigir o filme, mas perdeu o ímpeto ao mergulhar na megalomania das sequências de “Avatar”. Assim, o longa passou para as mãos de Robert Rodriguez.

O filme foi elogiadíssimo por seus efeitos visuais, considerados “uma maravilha da computação gráfica” e um “marco da sci-fi”, mas as críticas acabaram sendo menos lisonjeiras em relação à trama, porque o filme não conclui inteiramente sua história, deixando a porta aberta para uma continuação, que nunca foi encomendada pela Fox.

O motivo da falta de entusiasmo do estúdio foi o orçamento elevado, de US$ 170 milhões, para um retorno de US$ 404 milhões mundiais.