Unsplash/Nathan DeFiesta

Hollywood volta a paralisar produções devido ao coronavírus

A maioria das produções de Hollywood voltou a ser interrompida enquanto os casos da covid-19 atingem níveis recordes em Los Angeles.

O sindicato dos atores, SAG-AFTRA, anunciou num comunicado enviado a seus membros que a maioria das produções de entretenimento “permanecerá em pausa até a segunda ou terceira semana de janeiro, se não mais tarde”.

A decisão foi comunicada depois que as autoridades de saúde do condado de Los Angeles apelaram aos produtores, na véspera de Natal, que “considerassem a possibilidade de interromper seus trabalhos por algumas semanas durante esse aumento catastrófico de casos de covid”.

A cidade de Los Angeles tornou-se nos últimos dias o maior epicentro da pandemia de coronavírus nos Estados Unidos, superando 7 mil hospitalizações por covid pela primeira vez na segunda-feira (28/12).

A ordem de “ficar em casa” no sul da Califórnia foi prorrogada indefinidamente na terça-feira (29/12), com vários hospitais sobrecarregados e obrigados a recusar ambulâncias.

A nova paralisação acontece após o SAG-AFTRA conduzir esforços de meses para reativar as atividades de Hollywood após a suspensão inicial das produções em março, assinando um acordo com os principais estúdios em setembro para aumentar as medidas de segurança contra o coronavírus para seus atores, incluindo testes.

Apesar disso, as produções de entretenimento de Los Angeles já operavam abaixo da metade de sua atividade normal em outubro, antes de cair novamente, à medida que os casos de covid começaram a disparar.

À exceção de um punhado de filmes independentes, poucas produções de cinema foram retomadas em Los Angeles nos últimos meses, com a maior parte da atividade de filmagem restrita a comerciais e videoclipes.

Por outro lado, as produções de grandes orçamentos foram retomadas no exterior, incluindo na lista os candidatos a blockbuster “Missão Impossível 7”, no Reino Unido e na Itália, “Batman”, no Reino Unido, “Matrix 4”, na Alemanha, e várias séries de TV como “Supergirl” e “Batwoman” no Canadá.

A recusa das seguradoras de criar apólices contra o coronavírus representa o maior impedimento para as produções que esperam reiniciar.