Instagram/Manu Gavassi

Manu Gavassi estrela e dirige clipe divertido com Gloria Groove e o ex, Chay Suede

Manu Gavassi lançou o clipe de sua nova música, “Deve Ser Horrível Dormir Sem Mim”, que ela também escreveu e dirigiu. Trata-se praticamente de um curta-metragem, com boa historinha, vários diálogos, muitos personagens, astros convidados e – o principal – bastante divertido. Até a propaganda descarada do TikTok e a prevenção ao coronavírus são bem inseridos no contexto, que, por sinal, poderia servir de premissa para uma série. #Ficaadica.

No clipe, a multitalentosa Manu aparece loira como sua alter-ego cineasta, Malu Gabatti, responsável pela gravação do vídeo, sempre acompanhada por Gloria Groove, parceira musical da gravação. Enquanto lida com os bastidores da produção, Malu descobre que Manu desapareceu e será preciso improvisar, com ela mesma assumindo o papel principal.

Não falta metalinguagem, com farpas disparadas de Malu para Manu e a participação do ex da cantora, o astro Chay Suede (o Erasmo de “Minha Fama de Mau”), como “boy gato” da produção. É especialmente curioso como “Malu” lembra o tempo inteiro para a assanhada Gloria Groove que ele é casado. E a isso se soma um detalhe: sua esposa, Gloria Neiva, aparece em cena como auxiliar de produção da gravação – tirando a camisa do maridão.

O bom relacionamento entre os ex e a atual é muito moderno.

Por essas e outras, a ex-BBB consegue entreter até quem não a considera uma grande cantora.

Já a música em si combina pop com reggaeton, mas consegue se diferenciar dos muitos similares genéricos pela letra convencida e, sim, pela interpretação de Manu, que traz tons de Kid Abelha/Pato Fu ao sonzinho “da moda”.

Tem cara de virar o maior sucesso da carreira de Manu. Em poucas horas, o clipe já foi visto por quase 1 milhão de pessoas.

Ela comemorou o resultado no Instagram: “A sensação que eu tive em realizar esse curta/clipe foi a mesma de quando eu mandava convite pros meus pais assistirem a apresentação de teatro que eu fazia com a minha irmã na sala de casa quando tinha 7 anos. E por isso, 20 anos depois, se a sensação é a mesma, acho que acabei no caminho certo nessa vida”.