Divulgação/Globo

Lázaro Ramos diz que gravar série em casa com Taís Araújo quase acabou com casamento

Lázaro Ramos contou que produzir a série “Amor e Sorte” durante a quarentena, sozinho com a mulher – e os filhos – em sua casa, quase rendeu separação de Taís Araujo. “O estresse foi grande. A gente quebrou muito pau”, contou o ator para Ingrid Guimarães, durante participação no programa “Além da Conta: Novo (A)Normal”, no GNT.

Ele disse que lidar com o dia-a-dia dos afazeres domésticos e cuidar dos filhos pequenos – João Vicente, de 8 anos, e Maria Antônia, de 5 – acumulou estresse com o trabalho intenso da produção da série.

“A gente nunca administrou tanta coisa junto. Achei que a gente fosse separar. Não era pela quarentena, era trabalhar na quarentena”, explicou. “A gente adora trabalhar junto e fez um seriado para a Globo aqui em casa. Só que a gente operava câmera, montava luz, os técnicos remotamente falando com a gente e orientando como fazer. A gente passou por isso”, acrescentou.

Além de atuar diante das câmeras, os artistas precisaram assumir também a parte técnica da produção para gravar os episódios da série. A trabalheira afetou a harmonia do casal, mas não chegou ao limite.

“Eu entendi que, agora, não largo dela por mais nada. Porque se passou da quarentena, se passou das brigas da quarentena, se ainda tem o tesãosinho de vez em quando… Agora não largo mais”, brincou Ramos.

“Amor e Sorte” também vai reunir outros casais e famílias da vida real. Além de Taís Araújo e Lázaro Ramos, também participam Luisa Arraes e Caio Blat; Fabiula Nascimento e Emilio Dantas; Fernanda Torres e Fernanda Montenegro. Cada uma dessas duplas vai estrelar um episódio diferente da série, que vai tratar do isolamento social aproveitando atores que são casados ou, no caso das Fernandas, mãe e filha que passam a quarentena juntas por causa da pandemia de coronavírus.

A série também usa as casas dos atores como cenário, entregando todo o equipamento de gravação no local e ensinando os intérpretes a como operá-lo.

Os atores, porém, não interpretarão eles mesmos, mas personagens criado por um time de roteiristas de primeira. O episódio protagonizado por Taís Araújo e Lázaro Ramos, por exemplo, foi escrito por Alexandre Machado. É o primeiro texto do roteirista desde a morte da mulher e parceira Fernanda Young (1970-2019).

Jorge Furtado, que é criador de “Mister Brau”, “Sob Pressão” e “Todas as Mulheres do Mundo”, escreveu o capítulo de Luisa Arraes e Caio Blat. Fabiula Nascimento e Emilio Dantas estrelam um episódio escrito por Jô Abdu e Adriana Falcão. E a trama com Fernanda Montenegro e Fernanda Torres foi escrita por Antônio Prata, Chico Matoso, Furtado e a própria Fernanda Torres.

Este último é o único capítulo que contará com uma equipe profissional in loco. É que Fernanda é casada com o cineasta Andrucha Waddington e dois filhos deles, Pedro e Joaquim, também trabalham no meio. Graças a isso, a gravação terá mais gente envolvida no “set” residencial. Ou mais quebra-pau, como aconteceu com Taís e Lázaro.

A série tem previsão de estreia para setembro.