Divulgação/AMC

Invencible: Nova série de Robert Kirkman terá oito atores de The Walking Dead

A nova série de Robert Kirkman, criador dos quadrinhos de “The Walking Dead”, vai reunir oito atores da versão televisiva de seu universo de zumbis. Mas o público não será capaz de reconhecer suas faces, porque “Invincible” é uma produção animada.

A atração é baseada em outra publicação de quadrinhos de Kirkman – lançada como “Invencível” no Brasil – , desta vez sobre o universo dos super-heróis, e contará com intérpretes “clássicos” de “The Walking Dead” em seu elenco de dubladores: Lauren Cohan (a Maggie), Steven Yeun (Glenn), Lennie James (Morgan), Khary Payton (Ezekiel), Ross Marquand (Aaron), Sonequa Martin-Green (Sasha), Michael Cudlitz (Abraham) e Chad Coleman (Tyreese).

O trabalho de voz voltará a reunir Cohan e Yeun, após a separação trágica de seus personagens em “The Walking Dead”.

O papel do ex-intérprete de Glenn, por sinal, é o principal da série. Ele vai viver Mark Grayson, um jovem comum, exceto pelo fato de ser filho do super-herói mais poderoso do planeta, Omni-Man. Durante toda a vida, ele acreditou que seu pai era um alienígena benevolente e que havia herdado seus poderes para ajudar a proteger a Terra. Até ser convidado a se juntar a ele em sua verdadeira missão: dominar o mundo.

O elenco de dubladores também destaca JK Simmons (vencedor do Oscar por “Whiplash”) como Omni-Man e Sandra Oh (vencedora do Globo de Ouro por “Grey’s Anatomy” e “Killing Eve”) como a mãe de Mark, além de Zazie Beetz (“Deadpool 2”), Walton Goggins (“Tomb Raider”), Mark Hamill (“Star Wars: A Ascensão Skywalker”), Gillian Jacobs (“Community”) e Seth Rogen (“Vizinhos”), entre outros.

Um elenco de superprodução.

“Invincible” está sendo produzido para a plataforma de streaming da Amazon, mas ainda não tem previsão de estreia.

Confira abaixo um vídeo que explica porque “Invencible”, cuja publicação já foi concluída, foi a melhor história em quadrinhos de super-heróis de todos os tempos. Contém spoilers – e também pode tornar o leitor obcecado em colecionar as edições, o que pode levar à frustração, porque a publicação foi interrompida no Brasil.