Polícia prende suspeito de incendiar estúdio de animação e matar 36 pessoas no Japão

A polícia japonesa anunciou nesta quarta-feira (27/5) que prendeu oficialmente o principal suspeito do incêndio criminoso de um estúdio de animação em Kyoto, que causou 36 mortes e deixou cerca 30 feridos no ano passado, incluindo o próprio suspeito, que permaneceu hospitalizado por um longo tempo.

“Prendemos Shinji Aoba, 42, por suspeita de ter matado 36 pessoas por incendiar” o Kyoto Animation (Kyoani) em 18 de julho de 2019, disse um porta-voz da polícia.

Shinji Aoba foi preso logo após o incêndio, mas, por ter sofrido queimaduras graves, foi hospitalizado e passou várias semanas em coma. Ele ainda está se recuperando, mas a polícia montou um centro médico em uma delegacia para interrogatório, esperando ele despertar para determinar sua prisão, revelou a rede de TV NHK.

De acordo com várias testemunhas, o suspeito invadiu o prédio do estúdio, derramou gasolina e lançou fogo, gritando “Você vai morrer”. O motivo do ataque é desconhecido.

O que se sabe é que Aoba nunca teve contato com o Kyoto Animation, mas supostamente acusou o estúdio de roubar a ideia de um roteiro que ele estava desenvolvendo.

Segundo a imprensa, ele sofre de uma doença mental e, em 2012, cometeu um assalto num supermercado pelo qual foi condenado a mais de três anos de prisão.

A tragédia do Kyoani repercutiu no Japão e no exterior, pois o estúdio tinha muitos funcionários jovens, especialmente mulheres. Esses profissionais carregavam “a indústria de animação japonesa nos ombros …”, disse o presidente da empresa, Hideaki Hatta, após o ataque.

O estúdio de três andares era um dos mais tradicionais da animação japonesa. Foi criado em 1981 e produz animações de cinema e televisão. Entre suas produções, estão o clássico “Robotech”, “A Voz do Silêncio”, “Full Metal Panic”, “K-On”, “Violet Evergarden”, “Clannad” e “A Melancolia de Haruhi Suzumiya”.

Depois do atentado com dezenas de mortos, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, classificou o crime como “assombroso demais para as palavras”.