Divulgação/The CW

Supergirl: Primeira heroína trans da TV vai lutar contra vilão transfóbico

Depois de introduzir a primeira super-heroína transexual da TV, a série “Supergirl” vai apresentar um vilão transfóbico. O trailer do próximo episódio, intitulado “Reality Bytes”, traz a ameaça do vilão machão, que resolve demonstrar sua insatisfação contra o fato de uma transexual ser considerada heroína. Veja abaixo.

No capítulo, após uma colega trans ser atacada, Nia/Sonhadora resolve tomar a frente do caso e deter o criminoso preconceituoso.

A personagem Sonhadora (Dreamer, em inglês) entrou em “Supergirl” na temporada passada e é interpretada pela atriz Nicole Amber Maines, que nasceu com o nome de Wyatt Maines em 7 de outubro de 1997, junto com seu irmão gêmeo Jonas, e se descobriu transgênero aos três anos de idade – mas precisou chorar muito e sofrer para ter a identidade sexual respeitada em sua própria casa, já que o pai não a deixava usar os vestidos cor-de-rosa que ela queria.

Foi na 4ª série do ensino fundamental que ela decidiu se chamar Nicole, como sua personagem favorita da série infantil “Zoey 101” (2005–2008), do canal Nickelodeon. E aos 15 anos de idade, já aceita pela família, passou a lutar por seus direitos na escola.

Humilhada, ela não podia ir ao banheiro da instituição, porque foi impedida de frequentar o banheiro feminino após a reclamação do avô de uma de suas colegas. Também não podia ir ao banheiro masculino, onde sofria bullying.

A família de Nicole entrou com uma ação na Justiça por sentir que ela estava sofrendo discriminação. Em junho de 2014, a Suprema Corte dos Estados Unidos concluiu que o distrito escolar havia violado seus direitos humanos. A família Maines recebeu uma indenização de US$ 75 mil e a escola foi proibida de impedir alunos transgêneros de entrar no banheiro com qual se identificassem.

A decisão criou jurisprudência e virou um marco histórico na luta pela aceitação da comunidade trans. E também tornou a ainda adolescente Nicole Maines conhecida em todo o país.

Aos 18 anos, ela contou sua história no livro “Becoming Nicole”, escrito por Amy Ellis Nutt, jornalista do Washington Post, com o objetivo de mostrar a falta de preparo dos pais e das instituições para lidar com crianças transexuais. A publicação entrou na lista dos livros mais vendidos do New York Times e recebeu diversos prêmios.

Naquele mesmo ano de 2015, Nicole estreou como atriz, participando da série “Royal Pains”, num episódio sobre os perigos sofridos por uma adolescente trans ao usar hormônios. No ano seguinte, foi destaque no documentário “The Trans List”, da HBO.

“Supergirl” lhe deu ainda mais visibilidade, mostrando o quão longe pode levar a vontade de usar um vestido cor-de-rosa.

O episódio “Reality Bytes”, da 5ª temporada da série, vai ao ar no próximo domingo (15/3) nos EUA.

A série é exibida no Brasil pelo canal pago Warner.