Transmissão do Oscar atinge menor audiência televisiva de todos os tempos



A transmissão do Oscar 2020, que foi ao ar pela rede ABC nos EUA, registrou a pior audiência televisiva do evento em todos os tempos.

A vitória histórica de “Parasita” foi assistida ao vivo por 23,6 milhões de pessoas, segundo a medição da empresa Nielsen.

Trata-se de novo recorde negativo de público, superando os 26,5 milhões que viram o Oscar em 2018. No ano passado, a sintonia tinha sido um pouco melhor, com 29,6 milhões de telespectadores nos EUA.

Até alguns anos atrás, o público do Oscar variava entre 35 e 45 milhões, ainda de acordo com a Nielsen. A queda de audiência se tornou mais sensível a partir de 2017, quando “Moonlight” foi o vencedor do troféu da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas. Desde então, a ABC vem pressionando os organizadores do Oscar por mudanças na premiação, considerada muito longa, tediosa e com muitos filmes que o público médio da transmissão não assistiu.


A baixa audiência do Oscar 2020, entretanto, aconteceu mesmo com uma seleção de indicados ao gosto da rede, que queria mais filmes populares concorrendo ao prêmio. Com mais de US$ 1 bilhão de bilheteria, “Coringa” liderou em número de indicações, e recebeu estatuetas junto de outros blockbusters premiados no evento.

Por suas conquistas, “Parasita” tende a ser considerado responsável pela falta de interesse dos americanos. Mas como o público precisaria sintonizar para saber quem ganhou, a crítica contra a consagração de uma produção estrangeira só tem sentido como desculpa para pressionar por mais mudanças conservadoras contra a diversidade do Oscar.

O fato é que, com a multiplicação da transmissões de eventos de premiação, as muitas vitórias consecutivas dos mesmos artistas (no Globo de Ouro, Critics’ Choice, SAG Awards, BAFTA Awards, etc) têm o efeito de banalizar suas conquistas. A maioria do público já sabia de antemão, por exemplo, que Brad Pitt, Joaquin Phoenix, Renée Zellweger e Laura Dern venceriam Oscars por suas interpretações, eliminando qualquer torcida pelos resultados.

Outro fato indiscutível é que cada vez menos pessoas assistem TV ao vivo, preferindo acompanhar por streaming, e a medição do Nielsen já não dá conta de representar o público total de uma transmissão.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings