Elizabeth Sellars (1923 – 2019)

A atriz escocesa Elizabeth Sellars, que estrelou vários clássicos de cinema nos anos 1950, morreu na segunda-feira (30/12) em sua casa na França, aos 98 anos de idade.

Sellars estudou Direito e pretendia advogar antes de ser convencida por sua amiga Jean Hardwicke (sobrinha do ator britânico Cedric Hardwicke) a participar de um teste para um papel de atriz. Isto mudou sua carreira. Ela trocou de curso, matriculando-se na Academia Real de Artes Dramáticas e, em seguida, estreou nos palcos de Londres numa montagem de “Os Irmãos Karamazov”, estrelada pelo lendário Alec Guinness (o “Ben” Kenobi de “Star Wars”).

A jovem atriz logo foi escalada para filmes de grandes cineastas britânicos, como “As Cartas de Madeleine” (1950), de David Lean, “O Ódio Era Mais Forte” (1952), de Basil Dearden, e “Devoção de Assassino” (1952), de Charles Crichton. Na época, Crichton chegou a descrevê-la como “um cruzamento entre o fascínio de Ingrid Bergman e o poder de Bette Davis”.

Em 1954, ela fez sua estreia em Hollywood, atuando no drama criminal “A Condessa Descalça” (1954), de Joseph L. Mankiewicz, como esposa de Humphrey Bogart, que estava mais interessado em Ava Gardner, e no romance histórico “Désirée, o Amor de Napoleão” (1954), de Henry Koster, como a irmã da personagem-título, vivida por Jean Simmons – Marlon Brando tinha o papel de Napoleão.

A popularidade de seus filmes americanos lhe garantiu o protagonismo ao voltar ao cinema britânico, tornando-se a principal intérprete feminina de “Entre a Terra e o Céu” (1957), novamente dirigida por Charles Crichton, e “Carga Perigosa” (1957), de Leslie Morgan. Em seguida, ainda estrelou dois filmes de John Gillermin, “O Dia em que Roubaram o Banco da Inglaterra” e “A Fúria de um Bruto”, ambos lançados em 1960, mesmo ano em que se casou com um cirurgião chamado Frank Henley – de quem ficou viúva, em 2009.

Após nova passagem por Hollywood, que rendeu “55 Dias em Pequim” (1963), uma superprodução dirigida por Nicholas Ray que voltou a reuni-la com Ava Garner, Sellars viveu a mãe de Hayley Mills em “Corações Feridos” (1964) e passou a ser considerada “velha” para os padrões da indústria cinematográfica da época. Tinha chegado aos 40 anos.

Seus últimos filmes foram o terror da Hammer “O Sarcófago Maldito” (1967) e o drama “O Assalariado” (1973), filmados entre um grande hiato, que a atriz preencheu com participações em várias séries clássicas, de “Os Vingadores” a “Shadows of Fear”. Ela continuou ativa na televisão britânica até 1990.