Chernobyl: Sobrevivente do desastre nuclear diz que sua vida virou inferno após a série

A russa Lyudmilla Ignatenko, sobrevivente do desastre nuclear de Chernobyl, disse que sua vida virou um inferno após ter sido retrata na série da HBO.

O drama de Ignatenko foi um dos mais tristes de “Chernobyl”. Ela era a mulher do bombeiro Vasily Ignatenko, que, após visitá-lo grávida no hospital em que ele recebia tratamento por encenamento radioativo em 1986, acabou perdendo seu bebê. Na produção, ela foi interpretada pela atriz irlandesa Jessie Buckley (“As Loucuras de Rose”).

Em entrevista à rede BBC, Lyudmilla relatou que as pessoas se chocaram com sua história e passaram a atacá-la, dizendo “que eu matei meu bebê”. “Havia pessoas me perseguindo no meu apartamento. Chegou ao ponto em que os jornalistas batiam a porta com o pé e tentavam gravar entrevistas comigo.”

“As pessoas ficavam perguntando por que eu estava ao lado do meu marido, sabendo que estava grávida na época. Mas me diga, como eu poderia deixá-lo? Eu pensei que meu bebê estivesse seguro dentro de mim. Não sabíamos nada sobre radiação naquele momento”, contou, relatando os fatos abordados pela série.

Lyudmila reclamou da HBO e da Sky, coprodutoras da atração, pela forma como foi retratada. “Acho que a produtora se comportou muito mal por não me conhecer”, afirmou. “Houve um telefonema de Moscou. Eles disseram que estavam filmando na Letônia e em Kiev e queriam entrar em contato comigo, mas não conseguiram.’Gostaríamos de pagar US$ 3 mil’, disseram eles. Mas a série já estava gravada”.

Ela contou que, quando perguntou para que era o dinheiro, lhe disseram: “Por você existir”. “Claro que pensei que era algum tipo de fraude”, declarou.

A HBO e a Sky negaram as alegações de Lyudmila sobre seu contato com a produção em um comunicado.

“Durante todo o processo de produção de ‘Chernobyl’, os produtores se comprometeram totalmente a descrever todos os eventos, incluindo a história de Lyudmila e Vasily Ignatenko, com a máxima sensibilidade”, diz a nota.

“A equipe de produção, por meio de representantes locais, teve várias trocas com Lyudmila Ignatenko – antes, durante e depois das gravações – com o objetivo expresso de torná-la ciente do projeto e da descrição de suas experiências, conforme documentado anteriormente em várias contatos em primeira pessoa. Lyudmila também teve a oportunidade de participar do processo de contar a história e fornecer feedback. Em nenhum momento durante essas trocas, ela expressou que não queria que sua história ou a de seu marido, Vasily, fossem incluídas. Os cineastas fizeram todos os esforços para representar sua história e a de todos os afetados por essa tragédia com autenticidade e respeito”, conclui o texto oficial.