Cacau Protásio sofre ataque racista de bombeiros durante filmagens



A reação de bombeiros cariocas à filmagem de uma cena da próxima comédia da atriz Cacau Protásio no Quartel-Central da corporação, no centro do Rio, gerou uma crise de relações públicas, após vazamentos de gravações racistas e homofóbicas dos militares no Whatsapp.

Nas cenas de “Juntos e Enrolados”, filmadas no último domingo (24/11), a atriz usa com farda de bombeira e dança no Quartel acompanhada de quatro bailarinos, o que desagradou aos integrantes da corporação.

Em uma das mensagens, um homem diz: “Olha a vergonha no pátio do quartel central. Essa mulher do ‘Vai que Cola’, aquela gorda, colocou a farda e botou os dançarinos viados com roupa de bombeiro. Isso é um esculacho, rapaz. Qual é a desse comandante? Vai deixar uma pu**ria dessas no pátio do quartel?”.

Em outro áudio, outro homem faz comentários ainda mais pesados, com termos homofóbicos, gordofóbicos e racistas. “Vergonhoso. Mete aquela gorda, preta, filha da puta numa farda de bombeiro, uma bucha de canhão daquela, com um monte de bailarino viado, quebrando até o chão. Vão achar que é o que? Bombeiro? Aquilo é tudo viado. Lamentável.”

A atriz, que tem familiares bombeiros, tinha agradecido o acolhimento recebido durante as gravações e se disse orgulhosa por interpretar uma integrante da instituição. “Eu gostaria de agradecer a CBMERJ, na Praça da República, por nós receber muito bem hoje. Nos assessorou em todos os momentos. Muito obrigada. Essa corporação tem meu respeito. Eu estou amando fazer a bombeiro sargento Diana”, escreveu ela no Instagram, acrescentando que sua personagem é uma homenagem a familiares que servem à corporação. “Eu quero homenagear os bombeiros maravilhosos da minha família, Cláudio Valente e Dirceu Protásio”, disse.

Mas após a repercussão das mensagens vazadas, ela voltou à rede social numa série de vídeos, em que se mostrou bastante abalada.

“Em respeito a vocês, vim aqui dizer o que está acontecendo. Estou fazendo um filme onde interpreto uma bombeiro sargento, e, domingo, fui gravar no batalhão no centro da cidade. Fui super bem recebida e bem assessorada, sendo que tem um bombeiro que fez um vídeo de uma cena solta e espalhou por aí. Em momento algum ele desceu pra saber o que tava acontecendo, o que é que era. E a cena que ele postou é um pedaço de uma cena que é um sonho do meu superior. Eu faço um filme, eu conto história. Aquilo ali é uma ficção, não é realidade. E ele espalhou o vídeo com um áudio me xingando de negra, gorda, filha da puta, cambada de viado. Racismo é preconceito, se ele não sabe. E isso é muito triste. Não entendi por que tanto ódio”, disse.

A atriz continuou: “Sou negra, sou gorda, sou brasileira, sou atriz, eu conto histórias, conto ficção. Não mereço ser agredida, assim como nenhuma pessoa. Eu respeito a opinião de alguns bombeiros que dizem que ‘ah, eu não acho certo’, mas vai ver realmente a história antes de agredir. Eu printei tudo o que foi colocado na minha página. Tem uma menina no Facebook também superfalando mal. Postou uma foto minha de farda e os coleguinhas dela me detonando. Tudo isso eu printei, porque é crime. Você ser preconceituoso é crime. Racismo é crime. Você pode não gostar, mas tem que respeitar. E por que esse ódio? Juro que não entendo. A cena é uma alucinação de um personagem, um sonho, quando ele volta eu tô ali, trabalhando. O bombeiro é uma corporação que eu respeito, que amo, que queria ser quando criança. Nas minhas primeiras entrevistas, sempre falei isso”.

Cacau aproveitou para criticar a postura dos profissionais que a insultaram. “Sei que sou uma pessoa forte, mas ouvir tudo isso de um ser humano é horrível, é muito triste. E como uma pessoa que veste uma farda tão linda tem essa postura? Como posso dizer que ele salva vidas, que ele faz o amor, tendo essa postura e falando tanta coisa horrorosa, tanta coisa feia, ofendendo? Eu respeito e acho que eles têm o direito de gostar ou não gostar. Mas eles tinham que perguntar primeiro. O mal da gente é primeiro julgar e jogar pedra, pra depois saber o que era e falar que não era algo tão ruim. Só estou aqui pra dizer que racismo é crime. Isso não se faz”, acrescentou, emocionada.

Por fim, a atriz disse que, em função da repercussão, existem chances de a cena filmada nunca ser exibida: “A filmagem da gente foi tão legal e, agora, eu ouço que vai ser tirada do filme, que vão mandar cortar. Então por que as pessoas que estavam lá autorizando acharam legal, abraçaram a gente e disseram que estava tudo bem? A gente não fez nada absurdo. Se as pessoas pedirem pra ver a cena, vão ver que não é nada absurdo. Mas respeito a opinião dos bombeiros. Não sei o que eles passam, só admiro. Mas peço que a gente tenha mais compaixão um com o outro”.

Em nota oficial, a assessoria de Imprensa do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro informou que “não compactua com qualquer ato discriminatório”.

“A corporação se solidariza com a atriz Cacau Protásio e já abriu procedimento interno para identificar o(s) militar(es) e apurar a conduta. O CBMERJ reforça o seu compromisso com a população de ‘Vida Alheia e Riquezas Salvar’ independente de cor, gênero, raça ou qualquer outra distinção. Os atos divulgados não representam a corporação centenária que, por anos seguidos, é considerada a instituição mais confiável do Brasil”, diz o comunicado.

Ainda sem previsão de lançamento, “Juntos e Enrolados” tem direção de Eduardo Vaisman (“Me Chama de Bruna”) e Rodrigo Van der Put (do especial de Natal Porta dos Fundos “Se Beber, Não Ceie”), e é coestrelado por Rafael Portugal (“Porta dos Fundos”, “Carcereiros – O Filme”).

Cacau Protásio tem ainda mais dois filmes para estrear em 2020: as comédias “No Gogó do Paulinho”, em março, e “Canta pra Subir”, em agosto.



Ver essa foto no Instagram

Vídeo 1.

Uma publicação compartilhada por Cacau Protásio (@cacauprotasiooficial) em

Ver essa foto no Instagram

Vídeo 2.

Uma publicação compartilhada por Cacau Protásio (@cacauprotasiooficial) em

Ver essa foto no Instagram

Vídeo 3.

Uma publicação compartilhada por Cacau Protásio (@cacauprotasiooficial) em


Pedro Prado é cinéfilo, fã de séries e quadrinhos, fotógrafo amador e bom amigo da vizinhança.



Back to site top
Change privacy settings