Revista MAD deixa de circular nos Estados Unidos

É o fim de uma era. A revista americana “MAD” acabou. A notícia veio em meio a desabafos no Twitter da equipe da publicação. Após 67 anos de existência, a revista em quadrinhos que revolucionou o humor satírico não publicará novas edições mensais nas bancas após agosto, restringindo-se ao lançamento de especiais e republicação de material de arquivo com vendagem limitada para a marca não desaparecer.

Fundada em 1952 pelo editor Harvey Kurtzman e uma geração talentosa de artistas de quadrinhos de humor, a revista se tornou conhecida por suas sátiras de outras publicações de quadrinhos, que evoluíram para paródias de cinema e TV até que adentraram no terreno do cartum político – Donald Trump domina as capas dos últimos anos.

Seu estilo irreverente tornou-se referência cultural e acabou inspirando o surgimento de filmes que parodiavam outros filmes, do clássico “Apertem os Cintos o Piloto Sumiu” à franquia “Todo Mundo em Pânico”.

O cantor comediante “Weird Al” Yankovic foi ao Twitter acrescentar que a publicação também foi influência para as paródias musicais que o tornaram famoso.

A “MAD” também era conhecida pelo mascote Alfred E. Newman, uma criança com os dentes da frente separados que frequentemente estampava suas capas, além de personagens icônicos como “Spy vs. Spy”, de Antonio Prohías, a sessão “Respostas Cretinas para Perguntas Imbecis”, de Al Jaffee, e cartuns antológicos de Sergio Aragonés e Don Martin, entre outros.

A publicação rendeu até um programa humorístico, “MADtv”, que durou 15 temporadas, de 1995 a 2016, e trazia em seu elenco de comediantes ninguém menos que Jordan Peele, o diretor de “Corra!” e “Nós”.

Até Chris Miller, diretor de “Uma Aventura Lego” e roteirista de “Homem-Aranha no Aranhaverso”, trabalhou na publicação.

“Eu foi estagiário na revista ‘MAD’ em 1994”, lembrou Miller no Twitter. “Eu não tinha apartamento em Nova York, então mantinha meus pertences nos arquivos da redação, andava com uma mochila e dormi em sofás por três meses. Na sala dos roteiristas, eles tinham um kit de bateria para detonar as piadas ruins. Ótimas lembranças. Vou sentir falta disso”, concluiu.

No Brasil, a “MAD” deixou de ser editada em 2017.