Netflix cancela O Justiceiro e Jessica Jones, suas últimas séries da Marvel



A Netflix cancelou as séries “O Justiceiro” e “Jessica Jones”. Segundo o site Deadline, que apurou a informação, o serviço de streaming pretende encerrar a parceria com a Marvel após exibir a 3ª temporada de “Jessica Jones”, ainda sem previsão de estreia.

Já “O Justiceiro” teve sua 2ª e agora última temporada lançada no mês passado.

O cancelamento dos dois títulos marca o fim da parceria da Netflix com a Marvel, que originou cinco séries originais e uma minissérie, todas já descartadas pela plataforma.

O primeiro fruto do contrato que levou o universo Marvel ao streaming foi “Demolidor”, que estreou em 2015, com Charlie Cox no papel-título. A série foi seguida por “Jessica Jones” (com Krysten Ritter), “Luke Cage” (com Mike Colter) e “Punho de Ferro” (com Finn Jones), e o quarteto original ainda se juntou na minissérie “Os Defensores”, lançada em 2017. Além destas atrações, a parceria também rendeu “O Justiceiro” (com Jon Bernthal), originada como um spin-off de “Demolidor”.



Apesar de nada ser oficialmente assumido, a decisão de interromper a produção das séries da Marvel coincide com os planos da Disney de lançar seu próprio serviço de streaming, que irá competir com a Netflix. Os cancelamentos sugerem retaliação.

Além disso, a Netflix imobilizou contratualmente a Disney, ao incluir uma cláusula no negócio que impede o relançamento imediato das séries por outra plataforma ou canal, incluindo uma período de latência após seus cancelamentos. Este prazo seria de dois anos.

Embora seja difícil imaginar esses “heróis de rua”, mais violentos, no Disney+, que se apresenta como um serviço de streaming para a família, um dos chefes da plataforma Hulu já demonstrou interesse em resgatar os personagens. “A Marvel tem muitos títulos nos quais estaríamos interessados”, disse o vice-presidente de conteúdo Craig Erwich. “Tudo depende de quando eles estarão disponíveis, e quem estaria por trás dessas séries”.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings