Will Poulter anuncia saída do Twitter após trollagem com seu personagem em Bandersnatch


“Black Mirror: Bandersnatch” não rendeu apenas elogios. A repercussão de sua participação no filme interativo da Netflix levou o ator Will Poulter a anunciar sua saída do Twitter.

Em uma nota publicada em sua conta, o ator explicou que aceita todos os tipos de críticas em relação ao seu trabalho – e diz se sentir “genuinamente muito grato” pela atenção dedicada à sua carreira -, mas após sentir excesso de negatividade, decidiu deixar as redes sociais de lado.

“Pensando na minha saúde mental, sinto que chegou a hora de mudar meu relacionamento com as mídias sociais”, resumiu, antes de concluir com uma fala do seu personagem no filme do “Black Mirror”. “Isso não é o fim. Considere como um caminho alternativo”.

“Black Mirror: Bandersnatch” deu muito o que falar na internet. Enquanto muitos elogiaram o formato especial do projeto da Netflix, no qual o espectador conduz a trama até cinco finais possíveis, também houve quem visse na caracterização do ator uma forma de ofendê-lo.

Poulter, que aparece no filme com o cabelo descolorido e óculos grandes, virou alvo de vários memes, principalmente comparando-o ao personagem Sid, de “Toy Story” – uma piada antiga. Ele também foi alvo de ataques diretos, que aludiam não à sua capacidade dramática, mas à sua aparência, numa multiplicação de posts chamando-o de “feio” e declarando que ele tem “a cara que mais merece levar um soco na história”.


O ator é afiliado da organização Anti-Bullying Pro, que faz campanha contra o bullying.

Sua decisão de abandonar o Twitter foi saudada por vários comentários positivos de seguidores, que lamentaram a falta de noção dos trolls da internet. Até colegas se manifestaram, como o ator Ben Barnes (de “Westworld” e “O Justiceiro”). “Permaneça seguro sabendo que você é o ser humano mais gentil, mais doce, mais generoso e vibrante que alguém poderia ter a sorte de cruzar em seu caminho”, escreveu o ator.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings