Emmy muda regras para dificultar que episódios de séries concorram como Melhor Telefilme


A Academia de Televisão dos Estados Unidos anunciou mudança nas regras da premiação do Emmy, que já valerão para a consagração dos melhores da TV em 2019.

A principal alteração foi na disputa de Melhor Telefilme. Após três episódios/especiais consecutivos de séries vencerem a categoria, a Academia decidiu evitar uma quarta reprise, estabelecendo uma duração mínima para candidatos ao prêmio.

Para ser considerado um telefilme, as produções precisarão ter no mínimo 75 minutos (1h15) de duração. Isto evitaria, por exemplo, que o episódio “San Junipero”, da 3ª temporada de “Black Mirror”, levasse o Emmy em 2017. Com sua duração de 61 minutos, não seria elegível para a categoria nas novas regras.


Por outro lado, em 2016 e 2018, o Emmy de Melhor Telefilme foi vencido por “The Abominable Bride” (episódio de “Sherlock”) e “USS Callister” (outro de “Black Mirror”). Ambos têm mais de 75 minutos e continuariam capazes de competir na categoria.

Além desta mudança, a Academia criou uma nova categoria para premiar compositores de trilha sonora de séries documentais e dividiu o troféu de Melhor Coreografia, dando uma premiação para programas de variedade e outro para séries ficcionais.

Por fim, o Emmy também aumentou em um mês seu prazo de elegibilidade. Antes, qualquer série que exibisse mais de metade de sua temporada até o dia 31 de maio era elegível para a premiação daquele ano. Agora, o prazo vale até o final de junho.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings