SBT lança campanha com slogans e músicas da ditadura militar

Nesta terça (6/11), dia em que o Congresso Nacional realizou sessão solene em homenagem aos 30 anos da Constituição da República, a rede SBT começou a exibir uma série de peças publicitárias exaltando o Brasil com slogans e músicas associadas à ditadura militar. Nos anúncios, a emissora mostra as cores da bandeira nacional e pontos turísticos do país, acompanhados por diferentes hinos. Até o hino da Marinha é utilizado. E ao final, surgem frases que marcaram época, no pior sentido.

Em um dos anúncios, o locutor exalta “Brasil: ame-o ou deixe-o”, ao som do Hino Nacional. A frase foi um dos maiores slogans da ditadura militar (1964-1985) e atacava quem se opunha ao regime. Ela foi criada durante governo do general Emílio Garrastazu Médici (1969-1974), quando houve recrudescimento da repressão no país, resultando em 98 assassinatos de dissidentes políticos – segundo relatório da Comissão Nacional da Verdade.

Também fazem parte da campanha comerciais com a música “Eu Te Amo, Meu Brasil”, composta pela dupla Dom & Ravel e considerada trilha sonora da ditadura, e com a marchinha “Pra frente Brasil”, composta por Miguel Gustavo como tema da seleção brasileira na Copa do Mundo de 1970. Outras trilhas incluem “Cisne Branco”, hino da Marilha, o Hino da Independência e o Hino à Bandeira, que é tocado pela banda militar das Forças Armadas durante a cerimônia de troca da Bandeira na Praça dos Três Poderes.

Procurado pelo UOL, o SBT confirmou a autoria das peças publicitárias, “mas não vai se pronunciar por questões estratégicas”.

As campanhas com slogans e músicas da ditadura coincidem com a eleição de Jair Bolsonaro à Presidência da República e, de acordo com o colunista Flávio Ricco, fazem parte de uma estratégia de aproximação do canal ao novo presidente. Ainda segundo o colunista do UOL, Silvio Santos, dono do SBT, estaria disposto até a retomar o programa “Semana do Presidente”, boletim custeado pelo governo exibido durante mais de 20 anos. O apresentador nunca escondeu seu apreço ao general João Figueiredo, que entregou-lhe a concessão do canal lançado em 19 de agosto de 1981.

Ironicamente, o SBT foi a primeira emissora a produzir uma novela ambientada na ditadura militar, incluindo cenas de tortura e repressão a opositores: “Amor e Revolução” (2011).

A inciativa da campanha foi execrada por políticos e partidos de esquerda nas redes sociais.

Manuela D’Ávila, candidata a vice-presidente na chapa de derrotada de Fernando Haddad, escreveu no Twitter: “‘Eu te amo, meu Brasil, eu te amo, meu coração é’ e ‘Brasil: ame-o ou deixe-o’ são propagandas da ditadura militar. Nós amamos o Brasil. O de todas as cores, credos e opiniões políticas. Enaltecer a ditadura não é amar ao Brasil, mas repugnar a democracia e as conquistas da Constituição de 88. ‘Brasil, ame-o ou deixe-o’ não é sobre amor e patriotismo. É sobre a violência do exílio e do desterro. Tirem o cavalinho da chuva: vamos ficar, lutar e defender a democracia. Por amor ao Brasil”.

O PSOL chamou os anúncios de “vergonha” e citou um dos programas mais famosos de Silvio em seu repúdio: “SBT e Silvio Santos escolhem as verbas publicitárias ao invés da dignidade democrática. Uma vergonha a utilização do slogan ‘Brasil, ame-o ou deixe-o’, símbolo da ditadura militar. Topa tudo por dinheiro?”.