Série The Witcher evita polêmica racial ao anunciar seu elenco central

A produção da série “The Witcher”, em desenvolvimento na Netflix, anunciou quem acompanhará o astro Henry Cavill (“Missão Impossível: Efeito Fallout”) no elenco.

Cavill interpretará o protagonista, o misterioso Geralt of Rivia, e será acompanhado por Freya Allan (da série “Into the Badlands”) na pele da Princesa Ciri e Anya Chalotra (“Wanderlust”) como a feiticeira Yennefer, as duas protagonistas femininas da trama.

O anuncio foi feito um mês após a responsável pelo projeto, a produtora-roteirista Lauren Schmidt Hissrich (“Os Defensores”), decidir sair do Twitter devido ao vazamento da descrição da intérprete de Ciri na série. Na descrição, a produção convocava atrizes “de 16 ou 15 anos, negras, asiáticas ou de minorias étnicas, que possam interpretar uma personagem de 13 ou 14 anos”.

Usuários do Twitter mostraram descontentamento e resgataram tuítes antigos, publicados em maio, onde a showrunner dizia que não alteraria etnias dos personagens originais, iniciando uma campanha contra mudanças. Nos livros do escritor Andrzej Sapkowski e nos games de “The Witcher”, Ciri é uma jovem branca de cabelos platinados.

Ao final, a pressão surtiu efeito. Freya Allan é uma adolescente loira, que teve como principal trabalho, até o momento, viver a versão infantil da personagem conhecida como a Viúva num flashback da série “Into the Badlands”.

Ao lado de Ciri, em sua corte, estarão Jodi May (“Game of Thrones”) como a Rainha Calanthe, Björn Hlynur Haraldsson (“Fortitude”) como o cavaleiro Eist, e Adam Levy (“Knightfall”) como o druida Mousesack.

Enquanto isso, a academia mágica da qual Yennefer participa será liderada por MyAnna Buring (“Ripper Street”) na pele de Tissaia. Outras alunas incluirão Mimi Ndiweni (“Rellik”) como Fringilla e Therica Wilson-Reed (“Profile”) como Sabrina.

O último membro do elenco anunciado é Millie Brady (“The Last Kingdom”), que interpreta a Princesa Renfri, personagem geralmente descrita como uma “versão brutal da Branca de Neve”.

Deste elenco, apenas Mimi Ndiweni é negra – num papel de feiticeira originalmente branca. Veja as fotos de todos os intérpretes abaixo.

Vale observar que “The Witcher” é sinônimo de polêmica racial. Em 2015, o game “The Witcher 3” já tinha sido acusado de racismo por alguns críticos, por incluir apenas personagens humanos brancos, enquanto os monstros tinham uma variedade enorme de cores. Os fãs reagem a esse tipo de observação lembrando que a saga é polonesa e se passa numa Europa medieval imaginária, que registra a herança étnica da civilização eslava.

O casting anunciado também traz um detalhe que quem não conhece a saga pode ter ficado sem perceber. Além da ausência de diversos coadjuvantes, uma personagem muito importante ficou de fora da relação: Triss Merigold. A bela ruiva, que forma um triângulo amoroso com o protagonista e Yennefer, deve ser anunciada mais adiante.

O papel em “The Witcher” marcará o retorno de Cavill à televisão após o fim de “The Tudors”, em 2010. Desde então, o ator britânico virou um dos astros de maior destaque de Hollywood, não só por suas aparições como Superman nos filmes da DC como também por longas como “Missão Impossível – Efeito Fallout” e “O Agente da U.N.C.L.E.”.

Cavill vai interpretar o protagonista da saga, Geralt of Rivia, um caçador de monstros em um mundo onde as pessoas frequentemente se mostram mais maldosas que as próprias criaturas que ele caça.

O personagem começa a trama querendo ser deixado em paz para ficar sozinho, mas o destino coloca em seu caminho uma poderosa feiticeira e uma jovem princesa com um segredo, e os três precisarão aprender a compartilhar juntos a sobrevivência nesse universo.