Ferrugem vence o Festival de Gramado, que também destacou Benzinho com quatro prêmios

O filme “Ferrugem”, de Aly Muritiba, conquistou o troféu de Melhor Filme no 46º Festival de Gramado, encerrado na noite de sábado (25/8) no Rio Grande do Sul. Mas “Benzinho”, de Gustavo Pizzi, levou os prêmios do Público e da Crítica e a maior quantidade de Kikitos – quatro, ao todo.

Curiosamente, os dois filmes tiveram première mundial em janeiro no Festival de Sundance, nos Estados Unidos, e disputam a vaga para representar o Brasil no Oscar 2019

O longa de Muritiba, que retrata bullying virtual e o impacto do vazamento de um vídeo íntimo de uma garota, já tinha sido premiado também no Festival de Seattle. Na noite de sábado, além do Kikito principal, venceu os prêmios de Melhor Roteiro, dividido entre Muritiba e Jessica Candal, e Desenho de Som (Alexandre Rogoski). A estreia comercial está marcada para a próxima quinta-feira (30/8) nos cinemas brasileiros.

Já o filme de Gustavo Pizzi, co-escrito e estrelado por Karine Teles, entrou em cartaz na quinta-feira passada (23/8) e também tem troféus internacionais em sua bagagem, como os prêmios da Crítica e de Melhor Filme Ibero-Americano do Festival de Málaga, na Espanha. O filme repete a qualidade da parceria anterior do casal, o drama “Riscado” (2010). O fato de dramatizar o cotidiano familiar, com situações aparentemente banais, pode soar pouco atraente para o grande público. No entanto, nas mãos de Pizzi e Karine, “Benzinho” alcança profundidade poética e transforma a crise de uma mãe sufocada pela família em algo tocante, que sensibilizou público e crítica de Gramado a lhe darem troféus. Além destes Kikitos, também venceu nas categorais de Melhor Atriz (Karine Teles) e Atriz Coadjuvante (Adriana Esteves).

Única animação na competição, “A Cidade dos Piratas”, de Otto Guerra, baseado nos quadrinhos de Laerte, recebeu uma Menção Honrosa.

A cinebiografia do boxeador Eder Jofre, “10 Segundos para Vencer” conquistou os dois prêmios de interpretação masculina: Osmar Prado venceu como Melhor Ator e Ricardo Gelli como Melhor Ator Coadjuvante.

André Ristum foi considerado o Melhor Diretor por “A Voz do Silêncio”, que também recebeu o Kikito de Melhor Montagem, e “Simonal” conquistou outros três prêmios técnicos, entre eles o de Trilha Sonora, criada pelos filhos do biografado, Simonia e Max de Castro.

Vale lembrar que a diretora Daniela Thomas retirou “O Banquete” da competição, devido à morte do jornalista Otávio Frias. A assessoria de imprensa justificou a atitude como uma manifestação de respeito, por a trama retratar uma carta aberta como a publicada pelo publisher do jornal Folha de S. Paulo nos anos 1990, dirigida ao então presidente do Brasil.

Já a esvaziada competição de filmes latinos – uma disputa entre cinco títulos – foi dominada por “As Herdeiras”, do paraguaio Marcelo Martinessi, que arrebatou seis troféus: Melhor Filme, Direção, Roteiro, Atriz (compartilhado entre suas três intérpretes principais) e os prêmios da Crítica e do Público. O longa já tinha recebido o Prêmio da Crítica no Festival de Berlim.

Discursos políticos marcaram os agradecimentos, com aplausos e vaias de acordo com a filiação partidária do público, bem como a defesa do curta-metragem como formato a ser considerado no novo sistema de pontuação da Agência Nacional de Cinema (Ancine). Vários cineastas vestiram na premiação a camiseta “Ancine, Eu Existo” como parte da manifestação.

Confira abaixo a lista completa dos vencedores do festival, inclusive os curtas premiados.

Longas Brasileiros

Melhor Filme: “Ferrugem”, de Aly Muritiba
Prêmio da “Benzinho”
Prêmio do Júri Popular: “Benzinho”
Menção Honrosa: “A Cidade dos Piratas”
Melhor Direção: André Ristum (“A Voz do Silêncio”)
Melhor Atriz: Karine Teles (“Benzinho”)
Melhor Ator: Osmar Prado (“10 Segundos para Vencer”)
Melhor Roteiro: Jessica Candal e Aly Muritiba (“Ferrugem”)
Melhor Fotografia: Pablo Baião (“Simonal”)
Melhor Atriz Coadjuvante: Adriana Esteves (“Benzinho”)
Melhor Ator Coadjuvante: Ricardo Gelli (“10 Segundos para Vencer”)
Melhor Montagem: Gustavo Giani (“A Voz do Silêncio”)
Melhor Direção de Arte: Yurika Yamazaki (“Simonal”)
Melhor Trilha Sonora: Max de Castro e Simoninha (“Simonal”)
Melhor Desenho de Som: Alexandre Rogoski (“Ferrugem”)

Longas Estrangeiros

Melhor Filme: “As Herdeiras”, de Marcelo Martinessi
Prêmio da “As Herdeiras”
Prêmio do Júri Popular: “As Herdeiras”
Prêmio Especial do Júri: “Averno”
Melhor Direção: Marcelo Martinessi (“As Herdeiras”)
Melhor Atriz: Ana Brum, Margarita Irún e Ana Ivanova (“As Herdeiras”)
Melhor Ator: Nestor Guzzini (“Mi Mundial”)
Melhor Roteiro: Marcelo Martinessi (“As Herdeiras”)
Melhor Fotografia: Nelson Wainstein (“Averno”)

Curtas-Metragens

Melhor Filme: “Guaxuma”, de Nara Normande
Prêmio da “Torre”
Prêmio do Júri Popular: “Torre”
Prêmio Canal Brasil: “Nova Iorque”
Prêmio Especial do Júri: “Estamos Todos Aqui”
Melhor Direção: Fábio Rodrigo (“Kairo”)
Melhor Atriz: Maria Tujira Cardoso (“Catadora de Gente”)
Melhor Ator: Manoel do Norte (“A Retirada para um Coração Bruto”)
Melhor Roteiro: Marco Antonio Pereira (“A Retirada para um Coração Bruto”)
Melhor Fotografia: Beto Martins (“Nova Iorque”)
Melhor Montagem: Tiago Kistenmacker (“Aquarela”)
Melhor Direção de Arte: Pedro Franz e Rafael Coutinho (“Torre”)
Melhor Trilha Musical: Manoel do Norte (“A Retirada para um Coração Bruto”)
Melhor Desenho de Som: Fabio Carneiro Leão (“Aquarela”)