Zendaya será adolescente viciada em série descrita como “encontro de Kids com Trainspotting”

A atriz Zendaya vai voltar a estrelar um projeto televisivo, após se destacar no cinema em “Homem-Aranha: De Volta ao Lar” e “O Rei do Show”.

Mas desta vez o público será bem diferente das séries que a projetaram, “No Ritmo” (2010-2013) e “Agente K.C.” (2015-2018), ambas do Disney Channel. Ela será a protagonista do próximo grande projeto da HBO, chamado “Euphoria”.

Trata-se da adaptação de uma polêmica série israelense de mesmo nome, descrita por Francesca Orsi, vice-presidente sênior da HBO, como um “encontro de ‘Kids’ com ‘Trainspotting'”.

A série israelense foi adaptada por Sam Levinson, diretor e roteirista de “Assassination Nation”, sensação do último Festival
de Sundance sobre a fúria da juventude da era digital.

Zendaya viverá Rue, uma personagem de 17 anos, quatro anos mais nova do que a atriz na vida real, que é viciada em drogas.

Ela contracenará na atração com Eric Dane, ex-“Grey’s Anatomy” e “The Last Ship”, e um punhado de adolescentes famosos, como Sydney Sweeney (série “Everything Sucks!”), Storm Reid (“Uma Dobra no Tempo”), Maude Apatow (de “Bem-Vindo aos 40” e filha de Judd Apatow), Jacob Elordi (“A Barraca do Beijo”), Lukas Gage (“Como Sobreviver a Um Ataque Zumbi”), Brian “Astro” Bradley (“Terra para Echo”) e McKenna Roberts (do vindouro “Arranha-Céu: Coragem sem Limites”), que será a versão criança de Rue.

“Euphoria” é a segunda atração israelense que a HBO adapta para os Estados Unidos. A primeira foi “BeTipul”, que foi batizada de “In Treatment” (2008-2010). Esta série também teve uma versão brasileira, chamada de “Sessão de Terapia” (2012-2014) e exibida no canal pago GNT.

Por enquanto, apenas o piloto de “Euphoria” foi encomendado. Ele será dirigido por Augustine Frizzell, cineasta de outro filme indie sensação de 2018, “Never Goin’ Back”, exibido no Festival SXSW. O piloto precisará ser aprovado pela HBO para virar série.

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna

Back to site top
Change privacy settings