Festivais de Sundance e Toronto vão adotar cota de inclusão para cobertura da imprensa

 

Os festivais de Sundance e Toronto vão passar a adotar uma política de inclusão em sua cobertura de imprensa, disponibilizando uma cota de 20% de credenciais para freelancers de segmentos sub-representados entre a crítica norte-americana – mulheres e pessoas “de cor”. O anúncio foi feito pela atriz Brie Larson na noite de quarta, durante o evento Women in Film, no qual ela foi homenageada com o Lucy Awards por excelência no cinema.

Ao anunciar iniciativa dos festivais, Larson mencionou que a motivação foi a recente pesquisa realizada pela USC (Universidade do Sul da Califórnia), que apontou que 63,9% das resenhas dos 100 filmes de maior bilheteria de 2017 foram escritas por homens brancos, 18,1% por mulheres brancas, 13,8% por homens “de cor” e 4,1% por mulheres “de cor”. O termo “of color” consta na pesquisa para cobrir todas as demais etnias, não apenas pessoas negras.

Ela argumentou que isso é prejudicial para os filmes, pois obras feitas para mulheres negras são criticadas por homens brancos com uma bagagem cultural completamente diferente do público alvo, e isto pode prejudicar as chances desses trabalhos terem o alcance desejado.

“Estou dizendo que odeio homens brancos? Não, eu não estou. Mas, se você faz um filme para mulheres de cor, é muito pequena a chance de uma mulher de cor escrever uma crítica dele. O público não tem chances de ler sobre esses filmes em textos escritos por quem está representado na tela. Não adianta eu ler de um cara branco de 70 anos que ele não gostou de ‘Uma Dobra no Tempo’. Não foi feito pra ele. Quero saber o que o filme representou para uma mulher de cor, uma jovem de cor”, ela afirmou.

“É uma droga que resenhas contem tanto. Mas contam. Resenhas positivas podem dar chance a pequenos filmes se destacarem em festivais e terem a chance de crescerem. Uma boa crítica pode mudar sua vida. Mudou a minha”, contou Larson, lembrando seu passado indie e a importância que “Temporário 12” (2013) representou na sua carreira.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna

Back to site top
Change privacy settings