Comcast cobre oferta da Disney pela Fox, dando início à guerra pelo estúdio

A Comcast, uma das maiores empresas de mídia e entretenimento dos Estados Unidos, fez uma proposta oficial pela 21st Century Fox. Conforme especulado pelo mercado, o conglomerado agiu assim que a fusão entre a AT&T e a Time Warner foi aprovada pela justiça americana, e ofereceu US$ 65 bilhões pelos estúdios e canais que a Fox negociava com a Disney.

Dona de redes de TV paga e serviços de banda larga, além dos estúdios Universal e da rede NBC, a Comcast colocou na mesa quase US$ 13 bilhões a mais do que o acordo oferecido pela Disney anteriormente.

“Tempo é essencial para sua consideração sobre a nossa proposta”, escreveu o CEO da empresa, Brian Roberts, em sua proposta para os acionistas da Fox. O grupo agora vai esperar por uma resposta oficial da Disney à investida.

Apesar de maior, o mercado esperava uma oferta bem mais robusta, já que a Comcast havia oferecido anteriormente US$ 60 bilhões, que foram recusados em favor da proposta menor da Disney. Um dos fatores que, na época, levou a Fox a preferir a Disney foi a preocupação de que o acordo com a Comcast enfrentaria mais dificuldades para ser aprovado pela justiça americana, como vinha acontecendo com a fusão da AT&T e da Warner. A decisão judicial favorável ao negócio do conglomerado rival teria eliminado o receio da compra ser impedida por leis antitruste.

Na carta aos acionistas da Fox, a Comcast frisa este ponto. “Estamos altamente confiantes de que nossa proposta obterá todas as aprovações regulatórias necessárias em tempo hábil e que nossa transação tem a probabilidade de receber aprovação regulatória maior do que a transação da Disney”, diz o texto assinado por Roberts.

Entretanto, assim como antes, a oferta da dona da Universal é em dinheiro, enquanto o que atraiu mais Rupert Murdoch e seus sócios na Fox foram as ações oferecidas pelo CEO da Disney, Robert Iger, que valorizam muito mais que as da Comcast.

“A Disney está em uma posição forte para competir com uma oferta maior da Comcast”, disse Michael Nathanson, analista da MoffettNathanson, em um relatório recente sobre a guerra pela Fox.

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna

Back to site top
Change privacy settings