Donald Glover retoma carreira musical de forma impactante, com clipe mais comentado do ano

 

Donald Glover voltou a impactar. O astro de “Atlanta”, vencedor do Emmy 2017 como Melhor Ator e Diretor de Série de Comédia, lançou um novo clipe de sua persona musical. Ele não gravava como Childish Gambino, seu nome artístico no mundo do rap, desde 2016, priorizando a carreira dramática. Mas seu retorno ao rap foi como um incêndio nas redes sociais, disparando alertas, surtos e comentários.

O clipe de “This Is America” é o primeiro single de um vindouro novo álbum, que, pela prévia, deve repetir a consagração de “Awaken, My Love”, indicado ao Grammy. A direção é de Hiro Murai, que assinou diversos episódios de “Atlanta”, e é repleto de momentos desconcertantes, com assassinatos, execuções, correrias, garotas de uniforme colegial, coral e polícia, tudo encenado num grande galpão, entre passos de coreografia exagerada.

Algumas referências são claras, como o movimento Black Lives Matter, sobre mortes de negros pela polícia, e o March for Our Lives, que protesta contra a política de armas nos Estados Unidos, após o massacre de estudantes em Parkland, na Flórida. Mas o clipe se presta a muitas teorias, o que já alimentou quase 30 milhões de visualizações em menos de 48 horas.

Para completar, na letra, paradoxalmente, Glover canta que “nós” só queremos festa e dinheiro.

Há quem entenda essa ambiguidade como uma crítica ao rap ostentação, diante de um país que atinge ponto máximo de ebulição. E quem veja na coreografia expansiva e na felicidade transfigurada do rapper uma citação às caricaturas dos minstrel shows do século 19 – quando brancos usavam blackface para imitar negros estereotipados, numa manifestação racista.

Outro ponto que chama atenção é o a forma como entra a encenação do efeito das drogas no vídeo. Elas ajudam a alienar e fazer parecer que está tudo bem – e Glover fica literalmente “high”, ao subir no capô de um carro. Mas também geram noia, refletida no desespero dos segundos finais. Ou a realidade seria tão terrível que não há como escapar?

“Isto é América, não vá ser pego no vacilo”, ecoa o refrão.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna

Back to site top
Change privacy settings