Franquia Cinquenta Tons atinge US$ 1 bilhão de bilheteria mundial

 

A estreia de “Cinquenta Tons de Liberdade” neste fim de semana foi o empurrão que faltava para a trilogia atingir o faturamento de US$ 1 bilhão de arrecadação em todo o mundo.

Apesar de representar a pior abertura de todos os três filmes, o novo lançamento rendeu US$ 136,9M em todo o mundo, somando-se aos US$ 381,1M de “Cinquenta Tons Mais Escuros” (2017) e aos US$ 571M de “Cinquenta Tons de Cinza” (2015). E isto sem que nenhum deles tenha sido lançado na China.

O fenômeno é realmente internacional, já que os três filmes somados não passam de US$ 319,4 na América do Norte. Mas não deixa de ser significativo, considerando o desinteresse do cinema americano em produções de viés erótico. Filmes como “Shame” (US$ 3,9M nos EUA) e “Showgirls” (20,3M) foram verdadeiros fracassos comerciais.

Na verdade, desde que “Henry & June” se tornou o primeiro lançamento com a classificação “NC-17” em 1990, Hollywood se afastou de tudo o que fosse mais provocativo por medo da censura. Na prática, “NC-17” diferencia-se por um pequeno detalhe da classificação “R”: é proibida para menores de 17 anos mesmo na companhia de adultos responsáveis. Entretanto, é mais entendida como sendo a classificação que precede o “X” de sexo explícito.

“Cinquenta Tons” não representa uma revisão de critérios, porque ousa muito pouco em relação ao que o cinema europeu tem mostrado. A trilogia foi classificada como “R” nos Estados Unidos. Assim como “Deadpool” e “Logan”, por exemplo. E cada filme de sua franquia se revelou menos quente que o anterior – o novo tem casamento, noiva de vestido branco e gravidez.

Um levantamento do público apontou que 78% das pessoas que lotaram os cinemas para ver o final da trilogia neste fim de semana nos Estados Unidos foram mulheres e 55% tinham menos de 30 anos. É revelador que a maioria dos homens não tenha considerado o apelo do filme excitante o suficiente para compensar uma ida ao cinema, nem mesmo os jovens de hormônios desenfreados.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna

Back to site top
Change privacy settings