Anjos da Noite 5 domina semana pouco recomendável para o cinema

Quem ainda não viu os blockbusters em cartaz, que aproveite. Há pouco o que recomendar entre os lançamentos da semana.

Quatro anos depois do último longa, “Anjos da Noite: Guerras de Sangue” volta a trazer a atriz Kate Beckinsale como a vampira Selene contra um clã de lobisomens sanguinários e a facção de vampiros que a atraiu. A mistura de terror, ação e fantasia é a maior estreia desta quinta (1/12), chegando a cerca de 600 salas do circuito, boa parte delas em 3D. O mais curioso é que o lançamento acontece um mês antes da estreia nos EUA. Mas já passou na Austrália, onde foi trucidado pela crítica como o pior exemplar da franquia.

Com metade desta distribuição, o besteirol brasileiro “O Último Virgem” tenta ser uma comédia sexual adolescente americana, de um jovem que quer perder a virgindade, ao estilo de “Porky’s” e “American Pie”. As piadas são as esperadas, envolvendo prostitutas, torcida dos amigos, amiguinhas atiradas e até a professora gostosa, aqui vivida por Fiorella Mattheis (“Vai que Cola”). Um retrocesso completo, de volta ao humor das pornochanchadas, mas sem o que fazia a alegria do público daquela época: cenas de nudez. Ajude a última videolocadora do seu bairro e veja um dos originais, em vez de alimentar a nova tendência do cinema nacional de produzir subprodutos reciclados de Hollywood.

Aproveitando o começo das férias escolares, duas animações visam o público infantil. A produção franco-belga “As Aventuras de Robinson Crusoé” abre em cerca de 300 salas, a maior parte em 3D, e é tão fraca e sem graça quanto os outros lançamentos da mesma equipe, responsável pela franquia sub-Nemo/sub-Dory “As Aventuras de Sammy” (2010). A outra animação é brasileira e indie. “Galinha Pintadinha Mini na Telona” é o primeiro filme dos populares personagens criados no YouTube há dez anos, que viraram uma franquia de DVDs bem-sucedidos. Trata-se de uma “versão estendida” dos desenhos, com exibição em 82 salas.

Outro filme brasileiro estreia em circuito intermediário. “O Filho Eterno” é um melodrama sobre um casal (Marcos Veras e Débora Falabella) que tem um filho com Síndrome de Down. Inspirado em best-seller nacional, consegue evitar a pieguice do tema com uma narrativa dura, a partir da frustração com o nascimento, a rejeição do pai, as dificuldades na criação do menino e o desgaste do casamento, mas inevitavelmente, como é praxe, chega num final feliz, com a aceitação e o amor pelo filho. Para se comover em 59 salas pelo país.

Completam a programação cinco lançamentos europeus, cuja distribuição piora conforme melhoram suas qualidades. O grego “Mundos Opostos”, por exemplo, leva a 49 salas três histórias de amor batidas, tendo como pano de fundo a crise econômica europeia. Já o espanhol “Ninguém Deseja a Noite” mostra Juliette Binoche como Josephine Peary, que em 1908 partiu para a Groenlândia em busca de seu marido, o explorador Robert Peary, desaparecido ao tentar atingir o Pólo Norte. O filme chega em 22 salas quase dois anos após abrir o Festival de Berlim de 2015 e ser massacrado pela crítica internacional.

Exibido na Quinzena dos Realizadores no Festival de Cannes deste ano, o francês “A Economia do Amor” é uma das raras opções acima da média na programação, por sua abordagem pouco convencional do divórcio, destacando o impacto econômico de uma separação. Curiosamente, trata-se do segundo divórcio cinematográfico recente da atriz Bérénice Bejo, que estrelou “O Passado”, de Asghar Farhadi, em 2013. No novo longa, ela tenta se separar, certa de que o amor acabou após 15 anos de casamento, mas o marido não sai de casa e, além do estresse de discutir detalhes da separação, eles ainda precisam lidar com o tempo que cada um deve passar com as filhas pequenas. Apenas em 13 salas.

O penúltimo filme de Marco Bellocchio, o italiano “Sangue do Meu Sangue”, exibido com destaque na última Mostra de São Paulo, leva a 11 salas duas tramas passadas num antigo monastério, separadas por quatro séculos e um histórico de tortura e corrupção. Melhor filme da semana, a obra instiga por mostrar até que ponto chega a estupidez humana em duas partes bem distintas: o horror medieval e a comédia de humor negro contemporânea. Há quem prefira vampiros com revólveres, como os de “Anjos da Noite”, mas “Sangue do Meu Sangue” é capaz de muito mais terror – e com direito a seu próprio vampiro!

Por fim, o drama irlandês “Viva” não teve circuito divulgado. A produção tem como maior curiosidade o fato de mostrar como é a vida para os homossexuais em Cuba, por girar em torno de uma trupe de drag queens de Havana. Paralelamente, há o contraste com o machismo de uma geração mais velha, que se autoproclamava revolucionária.

Clique nos títulos dos filmes para ver os trailers de cada lançamento.