Fracasso de bilheteria não impede Warcraft de virar a adaptação de game mais bem-sucedida do mundo


O filme “Warcraft” vive uma situação paradoxal. Lamentado como um dos maiores fracassos do ano nos EUA, teve, ao mesmo tempo, a maior estreia internacional já registrada no mercado chinês e, neste fim de semana, bateu um recorde de faturamento mundial.

Segundo apuração do site Box Office Mojo, o filme inspirado no game “World of Warcraft” arrecadou US$ 377 milhões em todo o mundo desde seu lançamento, dos quais US$ 200 milhões vêm da China. Trata-se de um recorde histórico. A soma das bilheterias de todos os países representa o maior valor já registrado para uma adaptação de videogame em todos os tempos.

Mas este recorde é puramente figurativo. Na verdade, não há muito o que comemorar. “Warcraft” superou apenas “O Príncipe da Pérsia: As Areias do Tempo”, produção baseada no game da Ubisoft, que havia arrecadado um total de US$ 336 milhões nas bilheterias mundiais em 2010. Mesmo sendo o detentor anterior do recorde, foi considerado um dos maiores fracassos do ano. Tanto que não teve sequência.



Apesar do entusiasmo dos estúdios, que seguem programando filmes baseados em games, até hoje nenhuma produção do gênero virou blockbuster, obtendo apenas resultados modestos.

“Warcraft” é basicamente um fenômeno chinês. E isto é mais um consolo que uma mostra de sucesso, já que, nos EUA, de onde vem a maior parte da receita dos estúdios, seu desempenho foi pusilânime. Após uma abertura medíocre, com US$ 24,3 milhões, em 2º lugar – e apenas US$ 1 milhão à frente do 3º colocado – , o filme teve uma queda de 76% de arrecadação em sua segunda semana, somando somente mais US$ 6,5 milhões, com queda para o 5º lugar nas bilheterias.

Ao custo de US$ 160 milhões, o filme precisaria render mais de US$ 600 milhões para se pagar. Ele segue em cartaz no Brasil, onde estreou em 2 de junho.


Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings