• Ken Loach, vencedor da Palma de Ouro
  • Xavier Dolan, Grande Prêmio do Júri
  • Olivier Assayas, Melhor Direção
  • Cristian Mungiu, Melhor Direção
  • Jaclyn Jose, Melhor Atriz
  • Shahab Hosseini, Melhor Ator
  • Asghar Farhadi, Melhor Roteiro
  • Shahab Hosseini e Asghar Farhadi, Melhor Ator e Roteiro
  • Andrea Arnold, Prêmio do Júri
  • Houda Benyamina, Câmera de Ouro
  • João Paulo Miranda Maria, Menção Honrosa

Cannes: Novo filme de Ken Loach vence a Palma de Ouro



O veterano cineasta britânico Ken Loach foi o vencedor da Palma de Ouro do Festival de Cannes com seu novo filme, o drama “I, Daniel Blake”, sobre um marceneiro em guerra contra a burocracia da previdência social.

Em seu discurso, ele mencionou a crise econômica europeia. “A política neoliberal trouxe a miséria, da Grécia a Portugal, com um pequeno número de pessoas que enriquecem com isso”, afirmou. “Defendo um cinema de protesto, que coloca os fracos contra os poderosos. Um outro mundo não é só possível, mas necessário”.

Foi a segunda vez que Loach venceu a distinção. A anterior foi há exatos dez anos, com o drama histórico “Ventos da Liberdade”. Como naquela oportunidade, seu filme não aparecia na lista dos favoritos da crítica, que neste ano destacou “Elle”, do holandês Paul Verhoeven, “Paterson”, do americano Jim Jarmusch, “Graduation”, do romeno Cristian Mungiu, “The Salesman”, do iraniano Asghar Farhadi, e o vencedor do prêmio da crítica, “Toni Erdmann”, da cineasta alemã Maren Ade.

As decisões do juri da Palma de Ouro, presidido por George Miller (“Mad Max: Estrada da Fúria”), foram consideradas polêmicas e renderam até vaias. A maior saia justa aconteceu durante a entrega do troféu de Melhor Direção para o francês Oliver Assayas, cujo filme, “Personal Shopper”, em que Kristen Stewart tenta contatar o fantasma de seu irmão gêmeo, tinha sido vaiado durante a projeção para a crítica. A exibição para o público, porém, foi aplaudida longamente.

Assayas dividiu o troféu de direção com um favorito da crítica, Cristian Mungiu, cujo filme “Graduation” foca o dilema de um pai disposto a apelar à corrupção para que a filha tenha um futuro melhor.

Também foi surpreendente a escolha do novo filme do canadense Xavier Dolan, “Juste la Fin du Monde”, como vencedor do Grande Prêmio do Juri, conferido ao segundo melhor longa da competição. Afinal, o trabalho foi considerado desapontador e um dos mais fracos da carreira do menino-prodígio, que já tinha sido premiado com um Prêmio do Júri, equivalente ao terceiro lugar, por “Mommy” (2014).

O vencedor do Prêmio do Júri deste ano foi “American Honey”, da britânica Andrea Arnold, sobre jovens americanos que se sustentam vendendo revistas, enquanto transam, se drogam e viajam pelos EUA numa van.

Um dos filmes mais elogiados, “The Salesman”, de Asghar Farhadi, acabou se tornando o trabalho mais premiado do festival ao levar dois troféus: Melhor Roteiro, para o próprio Farhadi, e Melhor Ator para Shahab Hosseini. Na trama, ele vive um professor que precisa lidar com uma tentativa de estupro da mulher.

O troféu de Melhor Atriz foi para a filipina Jaclyn Jose, que vive a personagem-título de “Ma’Rosa”, de Brillante Mendoza, uma mulher que vende drogas para sustentar os filhos.

Nenhum americano levou um souvenir de Cannes para casa. O mesmo também aconteceu com “Aquarius”, do brasileiro Kleber Mendonça Filho. Mas o Brasil foi lembrado entre os curtas.

“A Moça que Dançou com o Diabo”, de João Paulo Miranda Maria, levou uma menção especial do júri de curta-metragens, presidido pela cineasta japonesa Naomi Kawase (“Sabor da Vida”). O filme é uma releitura contemporânea de um lenda do interior paulista, contada há mais de cem anos, e trata de uma menina que vive o conflito entre a religião e suas descobertas da adolescência.


Vencedores do Festival de Cannes 2016

Palma de Ouro
“I, Daniel Blake”, de Ken Loach (Reino Unido)

Grande Prêmio do Júri
“Juste la Fin du Monde”, de Xavier Dolan (Canadá/França)

Melhor diretor
Olivier Assayas, por “Personal Shopper” (França), e Cristian Mungiu, por “Graduation” (Romênia)

Melhor atriz
Jaclyn Jose, por “Ma’ Rosa”, de Brillante Mendoza (Filipinas)

Melhor ator
Shahab Hosseini, por “The Salesman”, de Ashgar Farhadi (Irã)

Melhor roteiro
Asghar Farhadi, por “The Salesman” (Irã)

Prêmio do Júri
“American Honey”, de Andrea Arnold (Reino Unido/EUA)

Prêmio Caméra d’Or (melhor primeiro filme)
“Divines”, de Houda Benyamina (Afeganistão)

Melhor curta-metragem
“Time Code”, de Juanjo Gimenez (Espanha)

Menção especial – curta-metragem
“A Moça que Dançou com o Diabo”, de João Paulo Miranda Maria (Brasil)

Palma de Ouro Honorária
Jean-Pierre Léaud, ator de filmes clássicos de François Truffaut



Chris Thomas é uma eterna estudante de cinema com algumas pós-graduações e radicada em Paris há uma década.



Back to site top
Change privacy settings